Carta para um futuro ex

Cansei das suas desculpas repetidas, de todas as meias verdades. De te ter ao meu lado e sentir saudade de quando eu era inteira. Acho que insistir tanto em encontrar um jeito de fazer a gente dar certo, fez com que eu perdesse uma parte minha. Uma parte importante, aquela do amor próprio, de se sentir suficiente, de se bastar.

Eu sei que é verdade o que você diz, que vou sofrer se for embora, mas também sei que você diz isso para me fazer ficar, não por se preocupar comigo. Eu sei que vai doer, mas vai passar, sempre passa, não é mesmo? Você não é o meu primeiro desacerto, talvez seja o maior, mas eu sei que também vai passar.

Vai doer, mas me dói mais a ideia de ficar sofrendo aos poucos, de estar sozinha em uma relação que a tempos só existe para mim. Eu sei que vou chorar, mas cada lágrima a mais vai ser em mim menos de você. E eu vou ficar bem, vou voltar a amar, primeiro a mim mesma, depois alguém que entenda o que é reciprocidade.

Cultive o que cativa

Quando você menos espera

aparece alguém que acelera o seu coração.

Ele tem tudo que você precisa,

dá um novo tom a sua vida.

Tem as palavras certas, o jeito exato e, manda

para o espaço a ideia de não se apaixonar.

Desta vez, espero que esse alguém saiba

que não se brinca com o amor.

Porque tão importante quanto cativar,

é cultivar aquilo que conquistou.

De saudade em saudade

A vida não perde a mania de me pregar peças, sempre que acho que estou no comando ela vira tudo pelo avesso e me joga no chão, me deixa sem chão. Eu já vivi tantas histórias que eu jurei que eram para sempre, todas viraram pequenas cicatrizes, lembranças opacas e aprendizado.

São tantas reviravoltas que quando está tudo bem, eu já me preocupo com o que vai acontecer para desestabilizar a minha vida e o meu emocional. Parece que nada para mim vai ser realmente duradouro. Sinto que sou uma colecionadora de saudades. As pessoas vêm, deixam suas digitais e se vão da mesma forma inesperada que chegaram.

Deveria ser possível colocar uma plaquinha, feito essas que se colocam penduradas nas portas com o seguinte aviso: por favor, só entre se tiver a intenção de permanecer. É que eu ando cansada dessas chegadas e partidas bruscas. Ando cansada de ter tudo revirado por aqui e depois precisar me virar sozinha para deixar em ordem. Ando cansada de colecionar saudade e ando querendo colecionar momentos com alguém que não tenha medo de enfrentar o medo e opte por mergulhar.

Porque de saudade em saudade, meu coração foi ficando mais frágil e minha entrega mais cautelosa. E mesmo que nessa vida nada venha com garantias e eu continue sendo a louca que assume os riscos da vida e sente muito sem precisar desculpas, quero que alguém chegue me mostrando que de saudade em saudade a gente aprende que merece sentir a felicidade de ver chegar quem não pretende ir.

Amor inesperado

Há vários tipos de amor, aqueles que chegam de mansinho e vão ficando até ganhar seu espaço, uns que nascem de uma amizade ou de uma implicância, daqueles amenos que fazem um bem danado e são constantes.

Mas tem aquele tipo de amor abrupto, dos que chegam sem avisar e tem dominam, tiram o chão e bagunçam tudo. Só de saber que ele existe você vê tudo de uma forma diferente, passa a enxergar milhões de novas cores.

Apesar de te tirar o sossego, esse amor é norte, tem o gosto de uma música bonita, e cheiro de flor que se abre no primeiro raio sol da manhã. Você fica maravilhada tentando explicar essa confusão tão intensa quanto bonita e, pensando em mil maneiras de deixar tudo ao redor mais enfeitado só para merecer abrigar esse amor.

Você não escolhe amar dessa maneira, é meio que uma sina boa, um presente surpresa. De certeza só tenho que algumas vidas não dão conta de caber esse amor. Se é destino, sorte, acaso ou Deus, não importa. Só abracei a chance de ser feliz que a vida me deu.

Os verdadeiros

Em meio a alguns desacertos
a sorte se faz e eles aparecem.
Sem que você fale nada, são todo ouvidos.
Quando tudo desaba, se fazem abrigo.
Eles são tão raros e tão poucos.
Sempre com os melhores conselhos
e, os jeitos mais loucos de te proteger.
Você não planeja tê-los,
simplesmente sente acontecer.
Cúmplices, parceiros, comparsas,
causadores dos melhores sorrisos.
Ajudam a colorir o caminho os verdadeiros amigos.

In Maturidade

Sempre achei que maturidade fosse aprender a não sentir, a não me importar. Mas aprendi que não. Hoje sinto e me importo o mesmo tanto de tempos atrás, com pessoas que não merecem serem sentidas e, mesmo assim, considero que tenha alcançado um nível razoável de maturidade.
Entendi que é da natureza humana a necessidade de criar laços, mesmo depois de muitas experiências ruins, com alguns que se desfizeram, outros que apertaram até virarem nós. E ter descoberto que poucos no fim continuam laço.

Então desisti de tentar deixar de sentir, isso não é maturidade, é autopunição por erros que são alheios a mim. Continuo sentindo e gostando de algumas pessoas que não merecem, pois, isso é humano. Mas hoje tenho maturidade o suficiente para só demonstrar esses sentimentos para quem saiba e entenda o sentido da palavra reciprocidade.

Aportar

Após enfrentar algumas tempestades

e mar revolto, o barco sofre um pouco.

Sofre avarias, fica à deriva,

começa a navegar sem rumo.

A Bússola não acha mais o norte

e, cais após cais, segue atrás de sorte.

Visita mares, rios, oceanos

e nada é capaz de reparar os danos.

Porque navegar só, cansa.

Melhor que mar tranquilo

e céu azul pra navegar,

é ter um porto seguro

para onde voltar e ancorar.

victor-erik