O passado nunca tem nada novo a dizer. Siga sempre sorrindo

Eu quis as tuas ligações após nossas discussões por pequenas coisas. Eu quis os teus abraços logo após rápidas despedidas na porta do meu terraço. Eu quis muito os teus carinhos após palavras que nunca deveriam ter saído de tua boca, mas eu te perdoei mesmo assim. Eu quis tanto os teus beijos após todo este turbilhão de coisas bagunçando aqui dentro de mim. Eu quis tanto o teu cais quando tudo em mim era caos. E o pior de tudo foi acreditar que você voltaria e me diria que tudo ficaria bem.

O tempo passa e a gente começa a perceber quem realmente valoriza as coisas lindas que carregamos no fundo de nossa alma. Pessoas que realmente entendem o real valor das pequenas coisas. Mas você parecia estar ocupado demais com teus planos enquanto eu sonhava sozinha no escuro da noite. Eu não podia te esperar para sempre. Eu precisava trilhar a estrada com alguém que quisesse traçar o mesmo caminho com meus sapatos, e então assim, poder sentir o verdadeiro valor que fiz – ou farei- para alguém.

Eu deixei uns medos nas gavetas mais altas para facilitar o esquecimento. Vestir a coragem para seguir em frente, e guardei comigo alguns aprendizados nos bolsos em caso de emergências duvidosas. Desenhei sorrisos largos no rosto e os compartilhei com o resto do mundo lá fora. Cresci e amadureci com o tempo e mesmo de um relacionamento mal acabado, eu levei comigo alguns aprendizados.

Eu quis tanto ouvir a tua voz calma de madrugada apenas para expulsar umas dores no meu peito. Mas como diz o próprio verbo – QUIS. – Passado; ou seja, ficou pra trás. Por isso sigo em frente na esperança de encontrar um Porto Seguro para repousar os meus ombros cansados. Sigo sempre sorridente e em frente, meu bem.

Pois afinal de contas, o passado nunca tem nada a dizer.

Linda.

Eu costumava chamá-la de minha, mas repentinamente, ela repousou o seu coração em outro peito. E como doeu ver a minha liberdade beijando outro alguém. Eu tenho aquela mania de romantizar tudo ao meu redor e devido a isto, eu sempre acreditei no “juntos para sempre”, mas hoje cedo, eu comecei a desacreditar nos romances infinitos. Vai ver algumas pessoas não foram feitas para ficar juntas para sempre, mesmo passando por momentos inesquecíveis juntos. Ela era linda, eu juro. Nas outras garotas eu já não via mais graça, ela era a garota mais bonita que eu havia fotografado com as minhas retinas. Hoje, sem o castanhos dos seus olhos, meus dias continuam sem sinal de cor. Apenas um cinza triste infinito que cobre toda estratosfera terrestre.

Quisera eu saber o que se passa na cabeça dela toda vez que os seus olhos castanhos fitam os meus. Quisera eu saber dos seus sonhos nas madrugadas em que costuma sentir-se sozinha, e queria fazer parte deles também. Eu amava a maneira que a voz dela namorava os meus ouvidos em um tom calmo e suave que apenas ela tinha. Eu adorava o seu jeito desastrado-charmoso de sorrir quando tudo parecia dar errado. Mas ela nunca tirava o sorriso do rosto, cara. Disto eu nunca vou me esquecer. Ela era linda, eu nunca achei que me apaixonaria por alguém assim, jurei pra mim mesmo que não deixaria nenhum sorriso largo me bagunçar desta maneira, assim, sem explicação. Mas aí ela me aparece como quem foge de um dos contos do Caio Fernando Abreu, e me sorri um riso tão forte que causou um abalo sísmico de escala 6.5 em meu coração. Um sorriso de quase 7 graus na escala Ritcher.

Eu costumo acreditar que algumas pessoas não foram feitas para ficarem juntas eternamente. Mas que algumas delas, nos contam histórias, histórias sobre a vida, sobre o amor, histórias  sobre nós mesmos. E são estes pequenos detalhes que nos tornam quem realmente somos. E estes momentos impactantes – como uma batida de um carro ou um simples abraço apertado -, momentos como estes, que dão razão e sentido a tudo. Porque o amor não quer ninguém preparado ou pronto para nada. Ele quer a gente desorganizado e desarrumado mesmo, pois quando ela chega, arruma tudo.

Há quem discorde, e diga que ele é o principal responsável por bagunçar tudo. Mas o que seria da vida sem ele? O que seria da minha se ela não tivesse passado por mim?

Linda, cara.

Apenas.

Linda.

P.S. Me desculpe te escrever de forma tão simples, quando, na verdade, o meu sentimento foi tão lindo.

Me perdoa por um dia ter magoado os teus sentimentos

Mas eu não nasci preparado para qualquer tipo de relacionamento, entende? Não havia nenhum curso preparatório ou testes com afins de aprovação para tal. Então ao longo desta caminhada que tracei comigo mesmo, eu machuquei muita gente ao meu redor. Muita gente mesmo. Não era – nem nunca foi – a minha intenção de fazer isto, eu fui imaturo demais para entender os teus sentimentos verdadeiros de uns tempos atrás. Aprendi muita coisa de lá para cá. Percebi que as mentiras nos matam aos poucos se não reveladas brevemente. Entendi que por mais que doa escutar a verdade, você se fortalece aos poucos mesmo após um forte golpe no peito. Por isto me perdoe se caso eu tiver magoado os teus sentimentos mais bonitos. Talvez naquele instante, eu não tive a coragem de carregá-los comigo.

Estou hoje em uma fase onde enxergo todas as coisas com retinas mais maduras, e com as minhas íris mais calmas e apaixonadas. Quisera eu ter te conhecido quando este amadurecimento me visitou há uns anos a fio, mas sei que o restinho de lembranças que você guardou de mim se foram sem deixar bilhetes ou esperanças. Por isto guarde consigo apenas as coisas boas mesmo de relacionamentos que tenham sido ruins. Mantenha o seu peito sempre perfumado e carregado de aprendizado das pequenas coisas da vida. Pois são estes pequenos instantes que ficam cravados como uma espada em nosso peito, mas ao invés de nos machucar, apenas nos alerta das coisas que não nos farão bem daqui pra frente.

Eu não nasci preparado para nada disto, eu sei, você também não. Mas as mulheres sempre amadureceram com mais facilidade do que nós homens, isto é fato. E hoje, elas nos ensinam tantas coisas bonitas sobre o amor, mas que infelizmente, poucos de nós conseguimos enxergar. Mas enxergaremos um dia, assim espero. Quisera voltar no tempo quando você me disse fitando nos meus olhos; Eu-te-amo, e eu apenas lhe disse; Obrigado. Injustiça minha ter lhe dito algo assim quando você merecia muito mais em tua vida.

Eu esbarrei contigo uns dias atrás na estação do Recife e você me olhou sem ver. Mas por algum motivo, olhou novamente para trás e esbarrou os teus olhos nos meus.

Eu sorri timidamente.

Você também.

Então eu lhe disse de longe com a minha voz baixa:

  • Me desculpa por tudo.

E você me sorriu um sorriso largo mais bonito do que qualquer coisa neste mundo. Então eu soube que você havia me perdoado sem dizer sequer uma palavra. A porta do vagão se fechou assim como aquela ferida que você tinha em teu peito.

E eu fiquei pensando o quanto as mulheres são perfeitas. E talvez no dia em que descobrirem o quão perfeitas elas são, não precisarão mais de nossa companhia.

Filho, não saia por aí partindo o coração de garotas inocentes

Em meus anos mais jovens, escutei este conselho materno que hoje eu guardo comigo para todo o sempre. Julie – a minha mãe – sempre me contava histórias de como os homens machucavam as mulheres naquela época, e eu ficava imaginando como eram capazes de tamanhas atrocidades. E por muitos e muitos anos, eu carreguei este aprendizado comigo; “Não saia por aí partindo o coração de garotas inocentes.” Mesmo sem entender o seu real significado.

Para você, meu filho. (04/10/1954)

Filho, você precisa ser verdadeiro naquilo que diz e naquilo que costuma fazer. Precisa saber escutar para poder entender, e vai perceber que precisa ser – e estar – calmo mesmo nos teus dias mais difíceis. Pois se você deixar a raiva te consumir por inteiro, resultará em algo que você jamais faria se estivesse calmo. Existirão dias árduos e cansativos, eu sei. Dias ruins no trabalho e no teu relacionamento, mas eu lhe imploro, seja calmo independentemente de qualquer situação, feche os teus olhos por alguns segundos, respire fundo, e deixe a calmaria lhe invadir novamente antes de tomar qualquer iniciativa seja ela qual for.

Filho, lhe digo todas estas coisas por um simples e único motivo; a mulher que escolherá passar a vida inteira ao teu lado precisará muito de você assim, pleno, calmo, entende?Na verdade, vocês precisão muito um do outro para caso o mundo venha a desabar em teus ombros. Pois haverão dias que este mundo “perfeito” vai rachar bem na frente dos teus pequenos olhos, e você precisará da tua calma para resolver toda e qualquer situação. E caso você venha a se estressar – pois acredite, você irá –  jamais a culpe por isto, apenas afaste-se um pouco e reflita. Vocês escolheram passar uma vida inteira juntos e tomarão certas decisões juntos também.

Filho, a lição mais importante que posso lhe deixar é; “não saia por aí partindo o coração de garotas inocentes.” E quando eu digo garotas, meu bem, preste bem atenção, eu falo de todas as mulheres que a tua mulher carrega no peito. De todas as mulheres que ela batalhou pra ser para poder chegar até aqui, segura nos teus braços. Você não pode imaginar a batalha que ela teve consigo mesma para poder deixar a sua confiança entregue assim em tuas mãos. Cuide-a. Ame-a. Por isso eu lhe imploro novamente, meu bem. Seja verdadeiro naquilo que costuma dizer e fazer. Seja sincero com as pessoas que lhe amam e estão ao seu redor. Seja calmo e tenha calma. Procure escutar a tua singularidade antes mesmo de se tornar plural. Escute alguns conselhos, mas não siga todos, pois apenas o teu coração é o único que pode dizer a direção do teu caminho. Não tenha pressa. Tenha calma. Não guarde rancor. Espalhe amor. Viva e sinta o presente que a vida lhe proporciona e lhe proporcionará. Seja fiel a quem você é, e a quem você ama. E será feliz. E terá paz.

P. S. – Com todo carinho e amor do mundo hoje e sempre.

Julie

 

20:20 (Oito e Vinte)

São exatamente oito e vinte e eu andei pensando em você mais uma vez. Mas eu não sabia se lhe contava pelo telefone, ou se a melhor alternativa era mesmo guardar os meus pensamentos comigo. Pensando agora, talvez tenha sido melhor guardar tudo aqui dentro de fato. Dizem por aí que a primeira pessoa que você pensa quando acorda é aquela da qual você dividirá uma vida inteira pela frente. Essa ideia de te contar as minhas loucuras sobre ti permaneceu na minha cabeça por uns longos doze meses, e eu não tive sequer a coragem de lhe dizer. Quem me dera fosse tão fácil assim, mas você noivou, e está prestes a se casar, construir uma família linda com a qual você sempre sonhou por tanto tempo. Eu que andava ocupado demais para ouvir as tuas  vontades gigantes.

20:22.

E eu ainda não conseguir expulsar você dos meus pensamentos. Soube por aí que você anda sorrindo como nunca sorriu antes e até adotou dois cachorros no mês passado; coisa que há uns tempos aí, você nem cogitaria em ter pelo menos um. Mas você mudou tão rápido que quase não te reconheci naquele vestido longo florido. E saiba que eu não lhe culpo por isto. As pessoas mudam e se adaptam a novos roteiros. Novas histórias. Novos rumos. É o caminho natural das coisas. Um dia destes por aí, eu lhe vi com as tuas amigas e você parecia ter ganho na loteria de tanta felicidade ao mostrar o teu anel de noivado a todas elas. E eu apenas sorrir do outro lado da rua dizendo para mim mesmo; “você merece, pequena.” E dobrei a esquina sabendo que havia deixado um pedaço do meu coração na frente daquela cafeteria antiga.

20:56.

Parece que o tempo anda tão devagar sem o teu jeito desastrado por aqui. E eu fico aqui, andando pelo meu-ex-nosso-apartamento sem rumo. Meu sofá sente a falta das tuas coxas macias. O banco do carro sente a falta dos teus cochilos dentre nossas longas viagens. O travesseiro da minha cama já não quer  mais ser lavado com medo que o teu cheiro se vá por aí assim como você se foi. Cada canto daqui tem um pouco de ti dentro de mim. Hoje me pego acompanhado das canções do Cartola e dos contos tristes do Gabito Nunes, que tentam a toda hora lhe trazer de volta para mim nem que seja por alguns rápidos instantes. Mas você logo se foi, sem deixar o teu cheiro doce, ou a tua voz tão calma, ou as tuas coxas enormes, sequer um pouco do teu coração.

São exatamente 21:00.

E eu permaneço no mesmo lugar.

Sem saída.

Sem escapatória.

Refém dos meus próprios pensamentos sobre você.

Tantas mulheres poemas em um mundo de tantos homens analfabetos

“Cadê os homens de verdade?”

Pergunta que ela mais costuma se fazer nas tardes de qualquer dia da semana. Mas a quantidade de rapazes babacas que ela habitualmente esbarra-se pelas ruas da cidade é de assustar qualquer um(a). Por isso, – aqui vai um conselho – não seja mais um babaca, a concorrência anda muito grande. Ela sente a falta dos garotos dos sorrisos largos, aqueles que tem o hábito charmoso de ler qualquer romance sentando em um transporte público, na biblioteca, ou em uma simples cafeteria. Mas nos dias de hoje, me parece que uns jeans apertados demais ou um par de seios grandes, possuem mais valor do que um sorriso bobo ou de uma longa tímida troca de olhares.

Ela quer ser desafiada por alguém que tente adivinhar a conversa que se passa por suas retinas. Ela deseja alguém que puxe uma conversa suave no elevador ou a diga que goste dos Beatles tanto quanto ela enquanto a música em seus headphones estiverem prejudicando a sua audição de tão alta. Ela só escuta música nas alturas. Ela quer ser a tua única intenção mesmo em um mundo coberto de segundas. Você deveria reparar mais no jeito com que ela costuma sorrir espontaneamente, em vez de encarar os seios dela como quem acabou de ver uma versão humana de pizza calabresa. Você deveria manter seus olhos nos olhos dela enquanto conversam, pois ela já percebeu teus olhares pervertidos no seu decote comportado. Você deveria comentar com teus amigos o quanto o riso dela fez você paralisar por uns três longos segundos, em vez de falar a respeito do tamanho dos seios dela. Para ela meu amigo, infelizmente, você entrou para a lista dos babacas. Ela é poema em mundo coberto de homens babacas e semianalfabetos. Poucos sabem lê-la.

Cadê os rapazes com sorrisos largos?

Pergunta que ela costuma fazer a si  mesma constantemente. Mas sabe ela que não são todos os homens que possuem o título de babaca do ano. Por isso ela desistiu dos bares, das festas vazias, das madrugadas frias e de uns rapazes mais gelados do que as noites de Tóquio. E foi viver. Deixou as dores nas últimas gavetas para facilitar o esquecimento e trancou seus medos as sete chaves. Vestiu-se de coragem, esbarrou-se com mais alguns babacas pelas esquinas da vida, normal, faz parte, mas não deixou de acreditar no romantismo masculino sequer por um segundo de milésimo. Percebeu que não se pode culpar todos pelo erro que apenas alguns cometem.

Hoje pela manhã ela foi a biblioteca estadual para conhecer novas histórias e fugir um pouco da realidade do mundo. Caminhou pelas prateleiras calmamente e passou suas mãos por diferentes contos, percebeu ali que havia muito para se descobrir e para viver. Um universo de histórias contadas e relatadas com tanto amor e afeto esperavam por ela. E mal ela sabia que a sua própria história estava para ser contada a uns poucos metros a sua frente, bem ali pertinho, do outro lado da estante.

Um sorriso largo, uns olhos atentos a um romance relento, a aguardava por tanto tempo.

Anos depois ela vem respondendo as suas amigas a mesma pergunta cada vez que elas insistem em questionar; Onde estão os homens de verdade?

– Na biblioteca.

P.S.

Mais uma vez, eu insisto, namore alguém que leia.

Você seguiu em frente e eu queria tanto fazer o mesmo

Te vi ontem na rua mas não parei pra falar contigo ou perguntar como foi o teu dia. Pelo jeito do qual você sorria eu sabia que tudo estava bem contigo. Até gostaria de ti ajudar carregando as tuas sacolas pesadas mas você parecia lidar bem com todas elas. Tuas dores pareciam ter se esvaído junto com as tuas tristezas quando você esbanjava um sorriso gigantesco no teu rosto. Notei que você mudou o corte do cabelo e as tuas roupas pareciam mais coloridas também. Eu nunca havia visto você sorrir imensamente feliz daquele jeito. Você seguiu em frente e eu queria tanto fazer o mesmo.

Mas te ver ontem na rua fez com que meu estômago embrulhasse e um calafrio tomasse conta do meu peito. Você parecia ter o mundo em suas mãos e eu não parecia fazer mais parte dele. Meu coração gritava em todos os tons pelo simples abraço dos teus braços, mas a razão parecia gritar mais alto ainda dizendo que não sou mais morador do teu peito, e pra falar a verdade, eu nunca soube  quem escutar. Cheguei a me aproximar a alguns metros do teu corpo, esperando com que você se virasse em minha direção e me falasse que sentia tanto a minha falta como eu sinto a tua. Mas infelizmente, você apenas seguiu em frente, e eu queria tanto fazer o mesmo.

Te vi ontem na rua e sentir um aperto enorme no peito, por talvez, a gente nunca mais se tocar daqui pra frente. Então, naquele exato momento em que você dobrava a esquina eu sussurrava baixinho pra mim;  fica, por favor. Eu sinto tanto a falta do que eu era quando tinha você por perto. Eu sinto falta do “nós” que criamos com tanto amor e carinho. Eu sinto muito. Sinto muito a tua falta. Sinto muito por ter lhe magoado partindo quando o que eu mais queria era ficar. Mas acabei percebendo que mesmo partindo, eu havia deixado o meu coração em casa.

Eu queria ter dito tantas palavras bonitas quando te vi, queria ter falado o quanto sentir a tua falta, ter contado sobre os meus dias tristes e cansados sem o brilho dos teus olhos ao meu lado. Mas eu nunca havia lhe visto sorrir daquela maneira. Livre de tuas dores ou de qualquer tristeza aparente.

E linda, eu jamais tiraria isto de você.

Boa sorte, por aí.

O mundo continua sendo teu como sempre foi.