Felicidade atraí felicidade

A felicidade não é algo exclusivo e muito menos pronto. É preciso busca-lá. E ai entra o ponto chave: busca-la de forma conjunta dedicando suas energias para auxiliar e ajudar outras pessoas a alcança-lá também. É como Napoleon Hill diz: “Felicidade é uma coisa fugaz, transitória. E, caso se proponha a procura-lá, vai verificar que é evasiva. Porém, se tenta fazer felicidade para outra pessoa, ela então vem para você.

É simples. Tudo que vai volta, certo?! De alguma forma volta. Se você desejar felicidade, vai atrair felicidade. Se você desejar tristeza, vai atrair tristeza. E o que eu quero com isso? Quero que possamos olhar a felicidade de forma mais aberta e conjunta. E por que? Porque necessitamos. E necessitamos melhorar o nosso olhar ao próximo. As vezes é o nosso colega do lado… Quem nunca sentiu-se meio “culpado” por estar feliz demais e o seu amigo/colega ao lado triste e desmotivado? É disso que eu estou falando, pequenos detalhes fazem a diferença.

Eu tenho certeza que compartilhar felicidade com o próximo traz uma sensação de felicidade em abundância e, pode ter certeza, nosso ser fica mais feliz. Experimente ajudar o próximo a buscar felicidade também.

Anúncios

Mais rodas de amigos, menos grupos no WhatsApp

Estava eu caminhando tranquilamente mais um dia na busca para avistar um belo pôr do sol. E o que acontecia na minha volta? Amigos, conhecidos ou pessoas muito próximas se lamentando por uma só coisa: o corte temporário do WhastApp. Está situação me fez pensar e, de certa forma, lamentar um pouco também. Mas eu não digo lamentar pelo corte do aplicativo, e sim, lamentar por todas as rodas de amigos que deixam de se formar por causa desta “droga” destruidora de relações. Parece exagero? Então observe ao seu redor, veja como as pessoas estão cada vez mais fixadas nas telas de seus smartphones, e não dão a mínima para o que acontece aos seus redores. Nem mesmo se prestam a marcar um bom e velho encontro para reencontrar alguns amigos. É tudo por ali, na tela dos seus celulares. Há quem diga que estes grupos são muito úteis para combinar os preparativos, por exemplo, de uma festa ou para marcar aquele futebol de sábado – e são mesmo. São até o ponto daquele idiota, um dia depois do evento, mandar um “bom dia, grupo”. Pronto, está feita a merda. É um respondendo bom dia, outro mandando joinha (o que é bem mais prático para se digitar) e assim vai… Ledo engano daquele que pensou que seria só um grupo qualquer. Dias depois, ele se tornou o principal “ponto” de encontro de todos que estão ali. E aí de quem sair. Chega a ser falta de educação. Por outrora, isto me faz me lembrar de tempos antigos. Tempos em que a tecnologia ainda não havia tomado conta. Tempos em que dávamos risadas das coisas mais idiotas possíveis, fazíamos vaquinha para comprar algo de comer e sentávamos em uma roda recheada de amor e alegria. Chega ser até engraçado, porque nos dias de hoje quando alguns grupos resolvem finalmente fazer isto, sempre tem um ou outro amigo que insiste em fixar todas suas energias na droga do celular. Isto te irrita? Se sim, então somos dois. Mas por hoje chega, fim de papo! Ah, quer dizer, eu ainda tenho uma boa notícia: ainda há tempo de você se reunir com aqueles velhos e alegres amigos. Afinal, como mesmo diz uma amiga (Carol Augsten): há quem diga que o amor nos dá asas. Se for isso mesmo, eu lhe digo: a amizade dá o chão. Não se esqueça: mais vale uma roda recheada de amigos, do que um grupo recheado de desconhecidos no WhastApp.

gabriel

Mais gratidão, por favor

Vem cá: o que você fez ao acordar hoje? Reclamou por ter que acordar às 6 horas da manhã em um frio de 5 graus? Lamentou por ter que enfrentar uma longa jornada de ônibus até o seu trabalho? Resmungou o caminho inteiro porque vai ter agüentar durante 8 horas o seu chefe que você diz ser insuportável? E que tal se, ao invés de você resmungar, você ser mais grato? Ser grato por acordar mais um dia. Ser grato por ter presenciado mais um nascer do sol. Ser grato por ter comida em casa. Ser grato por ter dinheiro para o seu transporte. Ser grato por ter um emprego. Ser grato por tudo que a vida vem lhe proporcionando. Ser grato pela sua família. Ser grato pelos seus amigos. Ser grato até mesmo por todas as lições de vida que você já teve. – Lições estas, que por sua vez, nos trazem a oportunidade de nos tornarmos melhor, e nos conhecermos melhor. Independentemente de crença ou religião, agradecer por tudo que a vida nos deu até hoje deveria ser uma obrigação, algo automático. Ser grato é abraçar, sorrir, beijar, dar carinho para tudo aquilo que recebemos, sem ser uma moeda de troca. E não vale deixar para agradecer amanhã… É agradecer agora, neste exato momento por estar aqui neste mundo maravilhoso, por poder observar um por do sol incrível, sentir o barulho acalmador dos pássaros, sentir a matéria natural das coisas e ter conhecido as mais incríveis pessoas. Parece besteira? Então experimente ser grato todos os dias!

 

gabriel

Viva o Agora 

Existem fases da vida em que nada parece dar certo. Os pais parecem não nos entender. Nosso relacionamento sempre vai de mal a pior. Ou quando não é isso, é nosso dedo mindinho do pé sempre batendo em tudo quanto é quina de porta. E o que eu geralmente ouço das pessoas nestes momentos é “amanhã é outro dia”, mas isso é só para quem acredita. Acharmos que a solução de todos nossos problemas está no amanhã, não passa de ilusão. Na verdade, isso nos faz querer muito o amanhã, e assim deixamos de viver o nosso momento mais precioso, o Agora.

Amanhã é muito tarde e, na maioria das vezes, demora para chegar. Esperar o amanhã para realizar uma tarefa, para se reconciliar, pode acabar sendo tarde demais. É por isso que você deve priorizar o Agora, porque ele é a única coisa que realmente existe e, além disso, nos proporciona irmos além das fronteiras limitadas que existem em nossa mente. Parece complexo, mas quantas vezes você se pegou ansioso estando “aqui” com o desejo de estar “ali”? Um conselho: pare de uma vez por todas de identificar-se com sua mente, evite dar importância para pensamentos que dizem ser importantes e evite que eles suguem suas energias, e o mais importante: viva o agora de forma plena. Afinal, a plenitude está presente em cada passo e nas pequenas coisas da sua vida. Só o fato de você sorrir para um estranho já promove uma mínima saída de energia.

Que tal viver mais o Agora?

O perdão liberta

Acredito profundamente no poder do perdão. Pedir perdão, ou concedê-lo é, para mim, estar sob controle das nossas emoções e pensamentos. Ter este “dom” nos proporciona sermos autores da nossa própria vida, e nos torna pessoas melhores. No entanto, infelizmente, grande parte das pessoas quando se desentendem com as outras, agem de maneira irreconhecível, e o orgulho por sua vez faz com que um pequeno pedido de desculpas fique engasgado.

Quando negamos o perdão, tendemos a carregar um caminhão de sentimentos ruins e, na maioria das vezes, um dia após o acontecido vemos que o que achávamos tão importante, é besteira perto da falta que a outra pessoa nos faz. É por isso que eu admiro os patos, porque além de viverem em plena harmonia, flutuam de forma sutil na água e quando brigam feito loucos, logo afastam-se em direções opostas. Em seguida, cada um deles bate as asas vigorosamente algumas vezes, liberando o excesso de energia acumulada durante a luta. E depois disto? Depois nadam em paz como se nada tivesse acontecido

Assim nós, humanos, deveríamos agir quando nos desentendemos com alguém: ao invés de procurar por algum tipo de diminuição na outra pessoa ou algo que lhe faça aparentemente parecer mais do que ela, devemos estar conscientes para que nossas emoções não se tornem razões.

Mas uma coisa é certa: quando perdoamos ou pedimos perdão, liberamos uma dose grande de energia e, de quebra, não permitimos que o orgulho engasgue um pedido de desculpas. Provamos a nós mesmos que, a nossa relação com a outra pessoa é muito mais importante do que pequenos desentendimentos e que carregar sentimentos ruins conosco nos torna incapazes de perdoar.

gabriel

Ter razão não é sinônimo de felicidade

A busca incessante pela razão está cada dia mais chata, e acho que vocês irão concordar comigo. As pessoas buscam pela razão, e mesmo que estejam erradas em determinada situação, travam uma batalha incansável para defender sua posição, opinião e ponto de vista. Limitam-se muitas vezes para novas idéias, acabam com antigas amizades e tornam-se completamente arrogantes. E isto tudo para alimentarem seu respectivo ego. É mais que evidente que, as pessoas começam estas batalhas de forma inconsciente, para provar a si mesmas que estão certas de algo, e a outra errada. Seja em uma discussão que tiveram em seu relacionamento, no bate boca com o ciclista no trânsito e até mesmo na briga com seu melhor amigo. Elas estão sempre defendendo a posição na qual se identificam, já que, por estarem inconscientes da presença de seu EGO, de alguém as dominando e defendendo sua imagem a qualquer preço ou custo, não podem errar. Errar para o ego é morrer. O que podemos perceber em todas estas situações é: o ego está sempre atento a qualquer tipo de diminuição que ele perceba e, justamente por isso, as pessoas que estão sob seu domínio costumam revidar xingamentos, censuras, criticas e, em algumas vezes partem para violência. O que as fazem ficar perturbadas, iradas, na defensiva ou agressiva. Este é justamente um dos recursos que o EGO usa para tentar se afirmar, alimentando-se de todas as discórdias e conflitos. Mas afinal, o que a razão realmente traz a estas pessoas? Talvez um sentimento de ter ganho algo, ou até mesmo de superioridade perante a outra pessoa, mas nunca a felicidade. Como já dizia Eckhart Tolle, em um dos seus livros: “Não busque a verdade. Apenas pare de cultivar opiniões.”

Há uma inteligência muito maior no seu Ser do que na sua mente.

gabriel

O Constante Ciclo Vicioso dos Relacionamentos

Nem todo “amor” do mundo basta para manter um relacionamento. Quando escolhemos ficar ao lado de uma pessoa, normalmente buscamos pela nossa outra “metade”, que, ao meu ver já é o primeiro erro que nós seres humanos cometemos. De forma inconsciente, acabamos buscando realizações exteriores na outra pessoa, agradando nosso EGO e suprindo temporariamente nossos medos e anseios.

Quando ainda supridos, nossos medos e anseios não são identificados no inicio do relacionamento, já que tudo parece ser um mar de rosas e a outra pessoa parece ser exatamente o que você procurava. Depois de um certo tempo tudo parece estar diferente, o seu companheiro (a) já não se porta como no inicio da relação, e isso faz com que as necessidades do seu EGO deixem de ser preenchidas, voltando ainda mais fortes. E o que acontece depois disso? A pessoa ao seu lado parece ser a culpada de tudo, porque simplesmente “deixou” de preencher as necessidades do seu EGO. Se pararmos para analisar, a oura pessoa tornou-se uma droga para você, porque quando disponível nos sentimos bem, mas caso não esteja disponível acabamos por enxergar tudo que a de negativo nela, assim, somos tomados pelo ciúmes, possessividade, manipulação, culpa e acusações.

O que eu mais tenho visto hoje são relacionamentos românticos, tomados por um ciclo vicioso entre “amor” e ódio, aonde incessantemente as pessoas deixam de realizar coisas interiores e buscam supri-las nos relacionamentos. Analisando meus próprios relacionamentos passados e de forma observadora o das outras pessoas, me faço uma constante pergunta: Será que era amor de verdade ou um vicio, uma dependência? Assim, diante dos fatos me identifico com a segunda alternativa.

Não estou aqui para arruinar seu relacionamento, muito menos desejar mal a ele. Mas muitas vezes a vontade de fazer tudo dar certo e de construir uma relação duradoura, mesmo com as melhores intenções, acabam dando erradas e nos perguntamos o por que de algumas coisas terem acontecido. Uma pessoa a qual admiro já dizia “O amor não torna ninguém especial e, não é exclusivo. O vinculo que liga duas pessoas é o mesmo que nos liga a um pássaro, a pessoa ao nosso lado no ônibus, mas o grau de intensidade é maior.” Eckhart Tolle.

Este texto é uma base do conhecimento que tenho buscado. Aplico diariamente tudo isto, mas não quer dizer que você deva concordar com o que eu acabei de escreve. Mas, caso ele te ajude de alguma forma, experimente.