Se um dia cansar dessa vida, não hesite em me ligar

Se um dia a festa acabar, a bebida ficar quente e as pessoas insuportáveis, não hesite em me ligar.  Quando nenhum deles querer escutar seus segredos e conhecer suas histórias, pode me procurar. Eu moro no meio daquela rua, onde fica aquela cama que você já ficou deitada. Ainda tenho o nosso suporte de pipoca, aquele coração amassado que impregnou seu cheiro e uma vontade de dizer eu te amo.
Eu sei, que eu enlouqueci e sou o maior culpado do erro cometido por nós dois. Queria te contar que eu mudei, todas as coisas positivas do rapaz que você achava ser gay, ainda estão aqui. As coisas ruins eu deixei em um mundo velho, com coisas esquecíveis do meu passado. Deixei muita coisa pra trás, mas de uma forma inesperada você ficou.
Confesso que algumas coisas de nosso término eu não consigo entender. Quando me conquistasse, pediu por diversas vezes para eu olhar no fundo dos seus olhos, para ter coragem. Mas quando colocou reticências em nossa história, fez isso por telefone. Saiu na festa com suas amigas, voltando para o mesmo local de quando eu te conheci.
Sou sensível demais, prefiro andar a pé do que dirigir, mesmo tendo carteira de motorista. Já desisti de tantas relações, canções, trabalhos e emoções, que não consigo contar, pois me faltam dedos para tal. Minha mãe, novos e velhos amigos já mandaram eu me afastar, alguns disseram para temporariamente, outros para sempre, mas não dá.
Parece que ficou uma ligação entre nós, um copo, com um canudo que a partir de qualquer sopro, me traria pra perto de ti.
Mas falando sério se um dia a sanfona do cantor da balada desafinar em seus ouvidos, vem que podemos fazer um novo dueto.
 

Sobre aquelas histórias que eu sei que não acabaram

Eu ainda tento dar um looping na nossa canção, para fingir que nossa história não acabou. Se por acaso quiseres entender quem são Amandas, Camilas ou a moça loira da foto esqueça, nenhuma delas é importante depois que você chegou. Você mudou a história sobre a percepção de amar, se alguém no futuro me perguntar sobre o amor, vou falar, não sei, perdi o trem que me levava até lá.
Nossa história nenhuma série ousou contar. No começo você me achava gay e eu achava sua irmã uma gata, mas no fim tu me mostrasse que viver é muito mais do que somente sexo. Eu vivia infeliz e acomodado, em um antigo relacionamento, quando me pegasse pela mão e me levasse para conhecer mundos diferentes. E como somos diferentes. Mas enfim, nossas canções devem seguir as mesmas regras sobre amor e tal.
Meus amigos já disseram para não voltar ou pelo menos 89,9% deles torcem contra. Mas meu sonho é que um dia possamos marcar aquele gol, estilo aquele atleta que você pesquisou no Google para me surpreender. Ele seria fora de casa, calando uma multidão, para que a gente possa ser feliz.
Eu não sou daquelas pessoas mais normais, você também não, mas quem sabe se juntarmos nossos problemas, buscamos as soluções deles juntos e lado a lado. Eu já tentei trocar de música, mas tudo que descreve você volta.
Não esqueço da primeira vez em que você disse que me amava, fosse a primeira de nós dois a saber que não era por acaso.
Mas são tantas histórias, do primeiro jogo ruim que vimos juntos, do time aqui da cidade, quando eu forcei um restaurante inteiro a me vender um copo da sessão infantil só pra te agradar. Aliás, eu pegaria uma coleção de copos daqueles que você gosta, se eu pudesse ver por ao menos um segundo, seu sorriso mais uma vez.

A crise dos meus 25 anos

Cheguei aos meus 25 anos, sem entender minha real idade de espírito. Estou cansado de baladas, bebedeiras intermináveis e estou mais afim de uma igreja, um barzinho tranquilo e um relacionamento sério. Vejo jovens namorando a mais tempo que eu e mais velhos, pegando qualquer coisa que se move e aparece pela frente.
Me sinto aqueles contrapontos da sociedade, o diferentão dos padrões. Neste exato momento, assisto a um vídeo falando para cometermos a lei do desapego. Mas sou apegado, daqueles que chora e sorri quando se fala de amor, que as outras pessoas chamam de brega, por dizer eu te amo o mais rápido possível. Ainda mais quando vermos aquela paixão de verdade.
As olheiras estão cada vez maiores e a pele começa a não ficar tão boa assim, o cabelo começa a cair e vivemos controlando o psicológico diariamente.  Provavelmente não vou enlouquecer, tenho amigos, um amor, a oração e Deus todos os dias.
Ali fora tudo chove, o céu, as terras e as pessoas que andam alucinadamente para lá e pra cá, para chegarem aos seus compromissos matutinos. A mudança inconstante de temperatura, separa as pessoas calorosas de sorriso fácil, com as que querem distância de todos os seres humanos do mundo. Não é fácil ser simpático o tempo todo, entendo as pessoas mais frias, tipo gelo.
Chego aos meus 25 anos, querendo sempre mais, buscando aquela história de amor eterno. Com você? Quero acordar olhando a janela, a chuva, as pessoas e quebrar os padrões. Juro que se sorrirmos juntos, serei pra sempre o seu porto seguro.

Faça o que quiser vou estar aqui

Você pode querer pular, desistir, correr e espernear o quanto quiser, eu estarei ali para lhe acalmar. Por mais que não me queiras em algum lugar, desejando que eu suma o evapore, fique tranquila, que eu vou ficar. A raiva é passageira como o temporal da tarde de ontem, quando eu te via correr até o carro de nossa futura madrinha e eu senti uma vontade insana de dar aqueles beijos cinematográficos, que acontecem debaixo de chuva.
Nosso relacionamento é forte, nem mesmo os meus inimigos que não fizeram nada contra você pode nos separar. Provavelmente, quando você atendeu o telefone pela primeira vez e ouviu minha voz de gênero duvidoso, te falando graça, não sabias que eu era um poço sem fundo de sentimentalismo. Eu choro com um Diário de uma Paixão e lágrimas caíram do meu olho, quando o Palmeiras foi rebaixado em 2012.
Eu gosto do sentimento, qualquer um que seja ele, expressa o momento da vida. Pode ter quantas TPM´s você quiser, se precisar eu assalto o caminhão da Lacta e roubo um milhão de caixas de bombom, para te acalmar. Manja na saúde e na doença? Pode colocar na forma ranzinza ou todas as vezes que tiramos sarro de nós dois, eu quero viver um turbilhão.
Me desculpe moça, mas na verdade é que sou louco por você, como diz minha quarta música favorita. Na verdade, tudo hoje que é de minha preferência. Do meu ranking mental de 10 músicas favoritas, nove falam sobre você e um é o hino do nosso time. Aquele que fez você jogar nomes no Google e dizer que seu jogador favorito, era o Fernando, sem saber quem ele era.
Nossa paixão é digna de uma mesa de som de rádio, as vezes precisamos aumentar ou abaixar o volume, para a sintonia e a frequência serem perfeitas. Só não podemos deixar a mão fora do equipamento chamado coração.
Então, me mande sair, pedindo um tempo pra pensar e ficar sozinha, mas quando eu chegar na minha cama em casa, ligue quantas vezes for necessário, para me contar seus segredos. Eu juro que não conto pra ninguém.
Você assinou um contrato eterno comigo, não me mande embora, pois a durabilidade é vitalícia.

Se eu pedir tu volta?

Não estamos aqui para julgar quem errou, todos sabemos que fui eu. Mas se quiser, podemos passar uma borracha em meus erros e termos um novo começo. É difícil esquecer que eu estraguei seu aniversário por ser problemático e um pouco ciumento. Mas se você lembrar que eu sou f…na cama, moça, tenta voltar atrás?
Se você quiser eu me reapresento, nego mais uma vez todos os colares de carnaval, deixo suas amigas baterem foto de a gente se abraçando sem eu saber.  Apareço em um evento do seu trabalho, de terno e gravata, para no fim batemos mais uma foto para você guardar na memória. Quero ser o real motivo para ser a mensagem fixa no seu Whatsapp e o seu sorriso fácil de tudo de bom que a gente passou.
Posso montar mais uma festa dos amigos e estampar a logo do meu trabalho nele. Podemos andar por aí, cumprimentando todo mundo, até o momento que eu chute um ferro e minha canela fique modificada para sempre, como está hoje. Sou capaz de contar cada uma das 5000 piadas sem graça que eu fiz pra você rir e todas as vezes que fomos ranzinzas um com o outro.
Admito que errei, tirei nosso bem mais precioso, um fruto de lealdade que temos um com o outro. Mas quero reiniciar todos esses momentos ruins pra te mostrar que eu sou um novo cara. A posessividade e o desejo de morte não fazem mais parte da minha vida.
Vamos sair? Contar sobre nossa vida, sem deixar amarras pra trás, falar do que agrada e o que desagrada. Se tiver um palco onde formos, juro que peço por uns cinco minutos de stand-up para te contar umas piadas novas que escrevi e que logo você vai contar do seu jeito meio sem-graça mas totalmente encantador.
Eu te amo, por mais que meus amigos façam chacota, eu não estou nem aí. Quero ser o casal legal do rolê e da oração. Aliás, você não sabe como eu aprendi a rezar todos os dias para te ter de volta pra mim. Quero te ouvir dizendo me abraça, quando você escolhe aqueles filmes que muitas vezes colocam minha masculinidade em dúvida.
Mas não me culpe se eu beijar seu pescoço, é que o cheiro do seu cangote, princesa, me traz todas as lembranças de nossa história de amor, que se você quiser, conto para nossos filhos em um estilo How I Met Your Mother que a mãe não morre.
Mas se eu pedir, me cuidar, nos cuidar e nos ajudar, tu volta?

Aos meus fantasmas que tomem todos no cu

Eram 3h08 da manhã, quando eu me transportava de volta para o Ensino Médio. Ali estava eu, franzino, com bigodinho de rato e cabelo grande. As pessoas me assustavam naquele momento , ali não seria nada, não teria namorada e provavelmente seria extremamente infeliz. Meu pai me abandonou por drogas, a garota que eu gostava não ligava pra mim e ali era somente eu e meus dois amigos que jogavam yu-gi-oh no recreio do colégio.
Voltando para o presente, ergui minha cabeça da cama, já tonteado pela bebida e fui me olhar no espelho. Nosso compromisso não estava em minha mão e seu pijama não estava aninhado em minha cama, com aquele ronco suave que me faz dormir tão bem. A insegurança quase me matou, já passava das 3h29 e eu estava ali ainda acordado, com o videogame ligado, jogando um Real Madrid e Barcelona, sem ao menos saber o que eu estava fazendo. O placar já era 4 a 0 pro time adversário, a mesma derrota que eu vinha sofrendo por não ter mais você e ambos os resultados eram culpa minha.
Desisto de dormir e circulo pela casa, encostando meus pés no parapeito da sacada, para acompanhar o sol nascer. O choque foi enorme, me rebatem arrependimentos de ter pedido para morrer e agredido um amigo seu. Caguei com seus 19 anos, quando na verdade, você gostaria de fazer os meus 25 os melhores do mundo.
Voltei ao mesmo instante de ensino médio, pois a culpa disso tudo era deles. Olhei no olho de cada um e expulsei todos dentro de mim, com a singela frase de “VAI TOMAR NO OLHO DO SEU CU DEPRESSÃO MALDITA”.
Voltei em mim, sabendo que um dos meus grandes amigos do ano vigente de 2017, disse que não era pra eu chorar, sabendo que nasci para fazer as pessoas sorrirem.
Prometi a mim mesmo, ser menos inseguro e viver a cada instante como um carro em alta velocidade pela Avenida Atlântica. Passam 100, 150, 200km/h. Neste momento já estou a toda pela Brasil, querendo adentrar a Rua 2850.
Cheguei ao exato momento que entendi o dever de cuidar de mim, para depois cuidar de nós.
Eu só te peço me espera mais um pouco, que eu vou ali e volto para compartilhar minha felicidade com você e o mundo.
Aos fantasmas e a dona da Playstation, um recado. Eu vou virar todos esses jogos e 7 a 1 vai ser pouco.

Mamãe, deixei de ser ogro

Já se passava mais de duas horas, não sei quanto tempo fiquei ali dentro. A bateria do meu celular havia chego ao fim, enquanto as pessoas corriam de um lado para o outro, mexendo em araras repletas de roupas de gente chique. Enquanto eu? Usava uma camiseta de série, um pouco surrada, calça desbotada e tênis com a sola descolada.
Eu estava perdido, não sabia o que fazia ali, aquele bando de coisas caras, perto da minha barba de mendigo e arrogância básica. Roupa cara pra mim, só vestimentas de futebol. Como não gastar em uma camiseta alviverde de Dudu, uma rossonera de Donnarumma ou de Van Basty, o famoso time da minha cidade. Não adianta, vivemos o futebol, aquela coisa de várzea.
Mas a fantasma veio, absurdamente gostosa e bonita, com uns traços loiros e claros como cabelo. Bicho, aquele ser me dominou, de repente eu estava envolto andando pra lá e pra cá na parte masculina daquela loja. Em minhas mãos se materializaram incontáveis cabides. Neles haviam camisas gola V, Polos justas e todos aqueles tecidos que atores como Fiuk utilizam no dia a dia. Não adianta, me visto brejeiro como o mais famoso e ídolo dos cronistas, Xico Sá.
Meu bigodudo avô que não me leia, mas passei cremes na cara. A mesma alma fantasmagórica me consquistou, seduziu e logo estava passando hidratante labial, carvão no rosto e fazendo esfoliamento. A última vez que esfoleei alguma coisa, tinha 13 anos e estava lendo as revistas escondidas de meu tio. (Vulgarmente conhecidas como Playboy). Mas que desmasculinização louca.
Deixa eu te falar, me apaixonei por esse ser espiritualmente louco. Já não assisto mais os filmes do Stallone, agora quero saber tudo sobre as séries de relacionamentos e menininhas. Se a fantasma quer? Quem sou eu para desquerer.
Menina, você viu? Saiu a 13ª Temporada de Greys Anatomy.