A visão do seu rosto faz minha cabeça doer, o som dos seus passos ao redor da cama ainda me amedronta, sei que é seu fantasma que ronda a minha mente, porque você está sempre em minha cabeça, ainda e sempre, pois não estou pronta pra te deixar partir. 

Eu gostaria de engolir todas as minhas decisões ruins ou ao menos ter a capacidade de confrontá-las para que eu me permita viver, mas prolongo os meus dias me arrastando em cantos que ainda cismam em ter o seu cheiro, e que com sorte está tão agarrado à sua presença que ainda consigo ver o teu sorriso e ouvir seus resmungos. 

Eu gostaria de me engasgar com todas as atitudes ruins que tive ou ser capaz de levá-las com honra ao meu túmulo, mas me assusto todas as vezes em que penso que por todas elas, você não está mais aqui, está apenas em minha cabeça… sempre. 

Eu não tenho mais nada seu para me agarrar e suportar a falta que amar você me faz, mas você não sai de dentro de mim, me rasgando… É muito tarde para consertar todos os nossos erros e reverter nossas angústias? É muito tarde para abrir mão de nossos egos e assumir que erramos um com o outro, que sempre fomos estranhos um para o outro e eu não sei porque isso ainda me sufoca… não ter você, me oprime e saber que eu teria a capacidade de te dar o mundo me assusta ainda mais, porque eu me perdi em você e não encontro os trilhos que me tragam de volta a mim. 

Não importa o quanto eu grite seu nome, é apenas em minha cabeça que você responde, apenas nela sou capaz de viver o inverso de sua ida como um novo recomeço, apenas nela você não vai embora e não permite que a tortura de admitir que qualquer outra pessoa terá a capacidade de ser para você o que eu não fui, o que eu não pude, porque por algum motivo eu achei que o seu amor era bonito demais para que eu pudesse sentir, então só me resta sentar aqui e te ver flertar com a felicidade que não fui capaz de te dar e me sentir satisfeita por não ter arrancado de você a capacidade de amar novamente… assim como me sinto agora. 

Você foi tudo o que quis e ainda quero, mas meu medo de sentir e te perder me afastou de você e me alienou de mim mesma, me deixando sozinha com minha dificuldade de dormir com a falta do teu calor no lado esquerdo da cama e seu rosto cruzando meus olhos sempre que eu os fecho, apenas por medo de me machucar, mas agora nada parece consertar o que está danificado aqui dentro… nada apagará as cicatrizes, tanto do medo, quanto do amor e da falta dele, então porque eu não te amei para sempre e com todas as minhas forças, quando e enquanto pude? 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Marcinha Rocha

Tags