(Leia ao som de Nearly Witches)

Às vezes acho que enlouqueci. Para ser mais honesto, isso tem se repetido com tanta frequência que já arrisco afirmar com certeza que cruzei a fronteira da insanidade.

Sim, eu enlouqueci.

Me internem, me trancafiem em uma sala toda branca, me amarrem e amordacem, me envolvam em uma camisa de força!

Já não tenho mais condições de conviver em uma sociedade normal e bem estabelecida. Não estou mais apto a seguir os padrões de convivência e etiqueta que sejam considerados saudáveis pelos seres humanos comuns. Eu sou um maluco, doido de pedra, desequilibrado. E você é a prova viva de que isso não tem remédio e nem cura.

Eu achava no início que era um sonhador, uma pessoa a frente do meu tempo. Insisti em cultuar a minha própria personalidade a níveis absurdos. Me considerei sempre um prodígio nascido na era-moderna e pronto para desabrochar. Tive plena certeza de que minha diferença tão grande para os outros que conviviam comigo era porque eu vim de uma outra terra pra cá. Por muito tempo me lembrei de vidas passadas e orientações que me deram antes mesmo de nascer. Eu segui tudo à risca, posso dizer sem vacilar: fiz exatamente como as vozes na minha cabeça me falaram.

Mas desde o dia que te conheci só consigo me embriagar com o seu perfume.

Joguei o meu melhor aos quatro ventos sem esperar muita coisa de volta. Fiz bem ao mundo e não esperei coisa alguma em troca. O pouco que conquistei sempre me pareceu muito, pois sempre valorizei cada gotinha de reconhecimento que veio em meio a uma tonelada de indiferença.

Tanto faz, pois hoje eu descobri que sou louco. Sou um desvairado, um mentecapto, biruta, alienado. Pode chamar o pessoal da saúde pública para me interditar! Meu tempo nesse mundo de gente esperta e correta já passou. Não há espaço para um tantã, aloucado e esclerosado como eu.

Vou me ocultar até que a vida termine, porém registro que não levo nenhum pesar das coisas que fiz.

Me orgulho dos sonhos que sonhei.

Me entusiasmo com os seguidores que conquistei.

Me satisfaço com o legado que deixo.

Me alegro com a sede de vitória que tive.

Pra ser sincero, meu único arrependimento é você.

 

Paulinho Rahs

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Sobre Jornalismo de Boteco

Paulinho Rahs Escritor, compositor, poeta solitário, vocalista da Arcadia e criador do Jornalismo de Boteco. Entusiasta, subversivo e magnânimo, contém na lista de vícios café, cerveja, o Foo Fighters e o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. https://www.facebook.com/PaulinhoRahsOficial/

CATEGORIA

Paulinho Rahs

Tags

, , , ,