São exatamente oito e vinte e eu andei pensando em você mais uma vez. Mas eu não sabia se lhe contava pelo telefone, ou se a melhor alternativa era mesmo guardar os meus pensamentos comigo. Pensando agora, talvez tenha sido melhor guardar tudo aqui dentro de fato. Dizem por aí que a primeira pessoa que você pensa quando acorda é aquela da qual você dividirá uma vida inteira pela frente. Essa ideia de te contar as minhas loucuras sobre ti permaneceu na minha cabeça por uns longos doze meses, e eu não tive sequer a coragem de lhe dizer. Quem me dera fosse tão fácil assim, mas você noivou, e está prestes a se casar, construir uma família linda com a qual você sempre sonhou por tanto tempo. Eu que andava ocupado demais para ouvir as tuas  vontades gigantes.

20:22.

E eu ainda não conseguir expulsar você dos meus pensamentos. Soube por aí que você anda sorrindo como nunca sorriu antes e até adotou dois cachorros no mês passado; coisa que há uns tempos aí, você nem cogitaria em ter pelo menos um. Mas você mudou tão rápido que quase não te reconheci naquele vestido longo florido. E saiba que eu não lhe culpo por isto. As pessoas mudam e se adaptam a novos roteiros. Novas histórias. Novos rumos. É o caminho natural das coisas. Um dia destes por aí, eu lhe vi com as tuas amigas e você parecia ter ganho na loteria de tanta felicidade ao mostrar o teu anel de noivado a todas elas. E eu apenas sorrir do outro lado da rua dizendo para mim mesmo; “você merece, pequena.” E dobrei a esquina sabendo que havia deixado um pedaço do meu coração na frente daquela cafeteria antiga.

20:56.

Parece que o tempo anda tão devagar sem o teu jeito desastrado por aqui. E eu fico aqui, andando pelo meu-ex-nosso-apartamento sem rumo. Meu sofá sente a falta das tuas coxas macias. O banco do carro sente a falta dos teus cochilos dentre nossas longas viagens. O travesseiro da minha cama já não quer  mais ser lavado com medo que o teu cheiro se vá por aí assim como você se foi. Cada canto daqui tem um pouco de ti dentro de mim. Hoje me pego acompanhado das canções do Cartola e dos contos tristes do Gabito Nunes, que tentam a toda hora lhe trazer de volta para mim nem que seja por alguns rápidos instantes. Mas você logo se foi, sem deixar o teu cheiro doce, ou a tua voz tão calma, ou as tuas coxas enormes, sequer um pouco do teu coração.

São exatamente 21:00.

E eu permaneço no mesmo lugar.

Sem saída.

Sem escapatória.

Refém dos meus próprios pensamentos sobre você.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Pedro Ficarelli

Tags