As torradas com geleia de morango, o leite quente e o bife mal passado, tudo me lembra você. Se deixo a luz acesa por mais de cinco minutos, volto correndo para apagar e incrivelmente, eu escuto a tua voz reclamando da claridade. Eu poderia dizer que o motivo de ter se deleitado em outros braços foi culpa minha. Eu poderia ter assumido minha culpa. E sabe, eu admito que errei durante muito tempo. Talvez o amor tenha sido pouco, sei lá, pela metade. Às vezes eu achei que me entreguei por inteiro e fui só metade né?!

Não sei! Fato é que jamais vamos encontrar uma resposta didática ou perfeita para entendermos porque os lençóis dela te prenderam, e os meus te afastaram. Eu sei que as coisas não estavam muita boas. Eu sei que com o tempo, a gente se perdeu entre erros e acertos. Não vou dizer nunca que você foi um erro.

Apesar de tê-la engasgada na garganta, eu não vou culpa-la. Meu compromisso sempre foi contigo, e não justifica eu crucifica-la agora. Bom, deixei tuas coisas no canto direito da sala. Na sua mala estão algumas peças, porque na próxima semana eu saio da casa. Pode ficar com tudo eu não quero nada! Aproveita e fica também com todas as memórias. Fica com a lembrança do dia em que nos conhecemos. Fica com a lembrança do nosso primeiro beijo e dos sonhos que cultivamos juntos. Não vou ficar lamentando que cada um desses sonhos, seriam conquistas incríveis.

Hoje, depois de todos os detalhes no quarto cinco, no motel mais barato da cidade, eu consigo entender pelo menos parte dessa história. Entendo a parte que me toca. Eu sou a parte que se feriu, que se machucou e tenho certeza que ela também. Porque sei como certamente será abruptamente julgada por ai, por ter caído nas falácias de um malandro como você.

Sabe, Marilia é que tenha razão: traição nunca teve e não tem perdão!

Acontece, que eu sou parte inteira. A parte que vai partir sem dor alguma. Doeu isso tudo, mas não me matou. Te amei, mas me amo mais. Não se trata de brigar, lutar ou não, para te ter, se trata de entender que quando alguém ama, o amor é verso, poesia e prosa. É a perfeição gramatical da vida, sem espaço para pontuações equivocadas. Você se equivocou e só provou que não era amor, era fome, mas amor não.

Doeu, isso tudo doeu em mim, mas vai doer mais em você quando acordar. Quando os beijos dela não forem mais tão doces. Quando o sonho começar a tocar a realidade. Quando todos os olhares disserem àquilo que as línguas não te contam. Quando o coração chamar por mim, vai doer.

Sabe porquê? Não é simplesmente vingança, é a conta que a própria vida traz pra quem acha que pode sentar, tomar todas e sair sem pagar. Traição nem tem e nunca teve perdão, mas o lance é maior que isso. Sobre traição, não se trata de perdoar, mas se amar!

Quem me olha, sabe que fui golpeada, mas sabem também que fui e ainda sou mulher. Aliás, uma puta mulher para reconhecer, que traição maior foi um dia me envolver com você!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Thamires Benetório

Tags