Amar a dama com cabelos cor de madrugada
É viver docemente condenado entre a luz e a espada.
É lembrar o nascer de uma estrela sempre que ela sorri
Mas, em sua ausência, esquecer-se de tudo e de si.
Além disso, é estar ciente da nulidade das defesas,
Saber da beleza que é ter mais dúvidas que certezas.
Ela é tantas, que a cada encontro será nova sob o véu,
E ti caberá deixar-se levar pelos humores em seu céu.
Quando ela for chuva, tu serás inundado;
Quando ela for neve, tu estarás a perigo;
Quando ela for granizo, tu não terás abrigo;
Mas quando ela for um céu estrelado, meu amigo,
Tu serás dos homens o mais abençoado.
Àquele que ama a dama dos fios cor de noite
Por fim dou um conselho, para que não se coite:
É ali, no escuro daquelas madeixas, a morada
De mais perigos que qualquer um saberia dizer.
Mas, coragem bom amigo!, que uma vez enamorada,
Ela é capaz de lhe embrulhar uma alvorada de prazer.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Douglas Cordare

Tags