Depois de você algumas coisas perderam a graça, até os gostos mais saborosos deixaram a boca com o sabor do cabo de um guarda-chuvas. Eu sei, eu sei, nunca experimentei o cabo de um guarda-chuvas, mas sabe aquele gosto que fica no outro dia da ressaca mais do caceta que você já viveu para contar? Pois bem, é esse mesmo aí. Amargor de alma e de coração

Tem sido assim todos esses dias sem notícias suas, é como se a ressaca não quisesse mais ir embora e o gosto da framboesa madura se tornou um “tanto faz”. Meu quarto tem aquele resquício estranho de uma saudade mal matada e da droga dos filmes que você esqueceu comigo espalhados por tudo que é lugar.

Até os emojis perderam a finalidade, aquelas cores eram nossas e as hashtags se tornaram comuns. Escuto todos os dias a mesma playlist, dizem que reviver o passado em gosto musical é pedir para chorar tudo de novo. Mas posso te contar um segredo?

-Eu não derramei uma só lágrima desde que você se foi.

Algumas ciladas do tempo embutidos no meu filtro da memória me fazem soltar aqueles suspiros de: “poxa, um dia ele esteve por aqui, não mais”. Mas fora isso a rotina está cada vez mais acumulativa e eu sem tempo nem para fazer aquele rabo de cavalo que você tanto gostava.

-Está diferente hoje dona Carolina. Fez algo novo no cabelo?

– Ele está apenas sem pentear seu Antônio, mas valeu pelo elogio, passarei a usar cada vez menos o pente.

Até o porteiro do meu prédio notou que havia algo ali fora do lugar, mal sabia ele que o cabelo é apenas um adendo de todos sentimentos emaranhado em solidão que eu deixo da porta para dentro e por trás de cada sorriso amarelo que dou quando me perguntam sobre você.

-Ele? Sabe que não sei? Vi que sua última atualização do Instagram era em um retiro espiritual lá pelas bandas do Apalaches. Deve estar bem né? Aura limpa, chakras no lugar. A nova vida está fazendo bem para nós dois.

Por trás de minhas palavras um bocado de sarcasmo embutido em uma garota fria e que sua falta não sente mais. E é aí que me perco, o que é sentir? Por você eu tive dos sentimentos mais loucos e de consequências impensáveis. Mas era simplesmente único sentir tudo na pele com aquele gosto de voracidade.

Me lembro do nosso último encontro, beijos, adrenalina, dúvidas e desejos.

-Onde é que está a minha blusa Rodrigo?

-Não sei Carolina!

Na realidade nós dois sabíamos, você sempre a escondia para que na hora da volta eu pedisse uma sua, e assim o seu cheiro me acompanhava e já me lembrava de todos os motivos que eu tinha para voltar.

No guarda-roupas tem umas 5 ou 6 peças suas, tenho que pedir para o porteiro despachar pra mim, afinal, o seu cheiro ali não encontro mais, e os meus motivos? Como sal na água ele se desfez, e hoje às lembranças são as únicas certezas que tenho de que um dia tudo isso realmente aconteceu.

Parte superior do formulário

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Re Vieira

Tags