Amor, vem cá. Senta aqui, deixa eu sentir teu cheiro. Vem cá, encosta n’eu e me faz cafuné. Deixa eu te sentir pertinho, deixa eu (re) lembrar dos motivos que me prendem a você. E me fazem não querer sair do seu lado mais. Porque é aqui, no seu peito, que eu quero estar. É aqui, nas suas mãos, que eu encontro a minha paz. Acho que o universo quis me paparicar e te mandou para minha vida. Acho que Deus precisava afirmar, claramente, o quanto eu sou a menina dos olhos dele e me mandou você. O vento canta, as árvores dançam, as flores sorriem e o sol brilha, como uma explosão de felicidade, cada vez que a gente se beija. E se toca. E se ama. Cada vez que seu olhar encontra o meu, uma explosão de sentimentos acontece aqui dentro, como uma espécie de afirmação que fiz a escolha certa, sabe? E todas as vezes em que fecho os olhos, involuntariamente, eu agradeço por ter te encontrado. Agradeço por, depois de tantos trancos e barrancos, eu ter encontrado a minha paz. Ter acertado. Ter alguém que pegou em minhas mãos, pediu-me para confiar e, desde então, tem me apresentado o lado bom dessa loucura toda que é amar e se entregar.  

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Ana Luiza Santana

Tags