Hoje o trânsito me atrasou um bocado e fiquei maluca buscando um caminho alternativo para chegar ao destino a tempo. Ruas, alamedas, vielas e as curvas se repetiam na minha tentativa desenfreada de chegar onde eu queria por um caminho não convencional. De um jeito ou de outro, eu precisava chegar lá. A avenida principal estava cheia de carros e motos que passavam correndo e buzinavam na minha orelha sem dó. Quando todas as possibilidades se esgotaram e meu carro parou sem ter para onde ir, olhei para os lados e me deparei com seu prédio. Nem sei como eu cheguei aqui, mas reconheceria esse portão em qualquer lugar do mundo. Como, entre tantas possibilidades eu vim parar na sua porta?

Um filme lindo passou pela minha cabeça e pude rever a cena do dia em que cheguei ali pela primeira vez, o nervoso que eu sentia com aquele jantar, o risoto que queimou e a crise de risos que tivemos ao pedir a pizza. Me lembrei das incontáveis noites que passamos juntos e do amor que deixei do lado de dentro. Me recordo também da dor que senti ao partir e de como me arrependi. Mas a vida segue, né? Essa era a máxima que eu repetia pra mim mesma sempre que pensava em você. A vida segue, mas será que segue mesmo? Depois de me perder nesse trânsito louco da vida vim parar aqui de novo.

Sozinha, no carro, desliguei o som que nem mais escutava. Queria ouvir a tua voz. Fiquei aqui, parada, mas viajando na saudade. Queria poder entrar no prédio e subir até o seu apartamento como fiz diversas vezes durante meses. Te abraçar pra tirar toda a tensão dos meus ombros e, depois, ser conduzida por você até a cama onde fazíamos muito mais além do sexo. Era lá que ríamos dos casos engraçados do dia. Era na cama que comíamos a pipoca que você reclamava do pouco sal, mas comia mesmo assim. Na cama tivemos os melhores do melhor momento do nosso amor.

Aperto o volante com força. Com a força de quem queria acelerar e invadir o prédio só pra chamar a tua atenção e te pedir perdão depois. Aproveitaria pra pedir perdão por ter ido embora também. Faria tudo junto, um pacote só.

Então você surge na esquina sorrindo. Atrás de você, uma moça. Linda. Suas mãos estão entrelaçadas no pacote de alguma coisa que compraram no mesmo supermercado que íamos na tarde de sexta para abastecer o final de semana. Vocês são lindos juntos. E, com ela, você está vivendo tudo aquilo que neguei viver quando decidir sair da sua vida. As minhas mãos suão frio e escorregam enfraquecidas no mesmo volante.

Eu perdi o tempo, perdi o espaço e perdi você. E foi exatamente por isso que alguma força sobrenatural, talvez movida ao arrependimento, tenha me trazido até aqui. Pra constatar.

Ligo o som do carro, o motor, dou uma ré e faço a manobra antes que vocês entrem no prédio. Mas, não consigo deixar de olhar pelo retrovisor a linda moça sendo levada por você além do portão com aquela sacola possivelmente repleta de coisas gostosas.

Os carros e a loucura da cidade tomam a minha atenção. A lembrança, também. Tenho a certeza que comecei a te perder quando fui embora sem saber de nada e agora eu sei. Eu deveria ter ficado. Deveria.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Edgard Abbehusen, Monika Jordão

Tags

, ,