Por muito tempo levei uma vida desenfreada, tacando os pés pelas mão e não tomando rédias de absolutamente nada, gostava daquela liberdade em ser e fazer o que eu bem entendia sem me importar muito se isso atingiria ou não alguém. Entre um romance terminado e outro, alguns goles de insanidade me deixavam cada vez mais imparável, limites foram desconsiderados, ninguém podia me controlar e eu jamais permiti que tomassem decisões por mim.

Até que porventura em um desses dias de loucura alguém conseguiu minha atenção, por alguns instantes me fez sair da bolha e até mesmo refletir. Ele veio como quem não bate na porta antes de entrar, chegou assim de surpresa, conquistando espaço e nem pediu para sentar, apenas direcionou minha atenção à ele e por aquele momento, me fez parar e repensar. Em poucas palavras pude perceber o imenso deslize que eu estava cometendo comigo mesma, isso por algum tempo tornou-se reflexão diária e consequentemente foi motivo de mudanças em mim.

Nós dois mal nos falávamos, pouquíssimas vezes, de vez em nunca, mas todas as nossas conversas eram produtivas e de certa forma cativantes, deixavam algo no ar. “Sempre que me senti perdida procurei por ele, como uma mão que tenta encontrar o interruptor no escuro, e ele sempre acendia as luzes novamente”. Levei algum tempo até me dar conta de que ali sempre houve um porto seguro, alguém me observando mesmo que de longe, um refúgio onde eu encontrava compreensão e direção. Ele era o norte que eu nem se quer procurava, mas que se mostrou importante para mim. Mesmo que eu ainda precisasse tomar as iniciativas e seguir sozinha, ele estava ali, quase que como uma confirmação, me encorajando à continuar.

Eu nunca ouvi alguém como o ouvia, talvez nunca confiei tanto como nele confiei, me sentia confortável em falar sobre qualquer coisa e sempre que eu o procurava, por algum motivo, ele de alguma forma tinha a solução.
Chega a parecer irônico como foi o único capaz de me entender, quando todos os outros enxergavam apenas defeitos, ele me motivou a exaltar minhas qualidades.

Eu mudei, foi por mim e foi a melhor decisão que já tomei, mas confesso que ele causou um grande efeito aqui, sua presença ainda me faz tão bem que quase não se compara com a saudade que deixa quando vai embora. Talvez, o que eu procurava era por isso, alguém em quem confiar, sem rótulos, sem status de relacionamento, sem grandes promessas, apenas alguém com quem conversar sobre a vida, contar algumas velhas histórias, pedir conselhos, passar um tempo e dar umas boas risadas, alguém com quem eu possa me divertir e obter crescimento, amadurecer e ser eu mesma.
E eu não irei pedir para que ele fique, nem irei busca-lo se caso resolver ir embora, eu aprendi o que são limites e a viver sem precisar ter um porto seguro toda hora.

 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Thai Merelin

Tags