Vem porque eu tô inspirada. Estava aqui deitada na cama, na verdade escancarada pensando na gente. Eu não abri só as pernas, eu abri o coração, a alma. Perdi o pudor e junto o juízo, mas quem precisa dele quando a única coisa que se tem é o momento né?! É, pois é! Veja bem, sempre ouvi dizerem que a vida é um fragmento e a única coisa que se tem são momentos, sejam eles bons ou ruins. Bom, com base nisso, eu resolvi tacar querosene nesse incêndio. Não quero nem saber, que acordem os nossos vizinhos e se amem também ou morram de inveja, porque eu comecei nossa história rabiscar e não tenho hora pra terminar. O papel hoje é teu corpo e a poesia o amor da gente. Sim, eu continuo quente e irreverente.  Vem que eu não vim pra passar vontade. Não vim planos fazer, eu tô aqui é pra viver. Não vim fazer joguinhos ou brincar, eu vim amar. Preto no branco. Quero roupa no chão e coração na mão!

É isso que me motiva, é isso que me enquadra no equilíbrio entre a sobriedade de coração e razão. A inquietude que toma conta de ti, me acalma a alma. Quero o barulho ensurdecedor do silêncio. Porque sim, silenciosamente eu tô é gritando. E já não me importa mais, deixa o mundo saber que a gente não sabe gritar baixinho.  Deixa eles saberem que ao longo desses anos, a gente vem tentando apagar esse fogo com mais álcool. Porque a verdade é que nós estávamos só brincando e acabamos nos apaixonando. Sim, amantes da boêmia, da boa vida, das noitadas sem fim, a gente estava só brincando e de repente acabou se amando.

Ah, deixa eles saberem que eu deixei os problemas pra depois e a minha prioridade hoje é você. E olha, que fiquem cientes, a lua é nossa testemunha.  Enfim, no meio da curiosidade vão é acabar descobrindo que você tá me abrindo e de amor o meu coração cobrindo.

Deixa amor, os vizinhos, o açougueiro, o padeiro, o chaveiro, o sindico, o porteiro a cidade inteira saber, que nossa cama virou o palco de um musical tipo Moulin Rouge e a trilha principal, foram suspiros e gemidos. Com um roteiro nosso, só nosso. Um roteiro improvisado mas caprichado. Então vem amor, vê se tem piedade. É um tédio essa história de acordar o prédio, eu quero é acordar a cidade.  E se disserem que estou alterada, maluca ou desorientada, diga à eles que eu não tô simplesmente amando, eu tô é transbordando!

Anúncios

Participe da conversa! 1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Thamires Benetório

Tags