A existência é um grande vai e vem de gente nos nossos dias e nos nossos planos, mas dizem que a nossa vida é com os que ficam. Bem, eu vi tanta gente chegar e ir embora, mas você fica há um tempo tão significativo e tão cheio de histórias pra contar, que eu só posso encher os meus pulmões de gratidão pelo fato de a sua existência ter sido ligada à minha de uma forma tão especial.

Dizem que não se faz amigos, mas reconhece-os, de forma que é o coração quem diz. E eu reconheci você. Eu reconheci  naquela primeira vez em que nós brigamos, e algumas horas depois, as duas estavam chorando e pedindo perdão. Eu reconheci na primeira vez em que você não me deixou sozinha. E eu venho reconhecendo, à cada nova semana, à cada vez em que a gente decide sair rapidinho e acaba fechando o restaurante japonês, porque a gente simplesmente não para de falar – aliás, eu andei pensando… e se a gente fizesse uma plaquinha, para indicar de quem é a vez de falar? Seria bem útil -. Eu reconheço a sua amizade à cada fato histórico, à cada gafe que a gente comete quando não deve e a outra sempre está lá, para rir junto. Eu reconheci em cada festa, em cada música que a gente cantou escandalosamente em cada bar que a gente foi. Eu reconheci quando o seu TOC se aliou ao meu, e me ajudou a pôr no lugar aquele quadro que estava torto, naquele bar que estava lotado. Eu reconheci a minha amiga quando eu consegui bloquear o meu cartão em plena madrugada, dentro de uma temakeria, e ela estava lá para ver a cena, rir comigo, e contar essa história melhor do que eu. Eu reconheci a minha amiga naquela viagem que a gente fez, para aquela cidade que a gente ama, para casar o nosso amigo.

Mas mais do que todas essas alegrias, e mais do que ter reconhecido a minha amiga, eu reconheci, na minha amiga, a minha grande irmã. Porque toda amiga é capaz de rir com você, toda amiga é capaz de suportar a sua tristeza, mas apenas a irmã confrontará a sua tristeza. Apenas a irmã irá te buscar para fazer compras, mesmo sabendo que você chorou, literalmente, a noite inteira, e chorará por mais algumas horas. Apenas a irmã te tira de casa quase à meia-noite, porque sabe que você precisa conversar. Apenas a irmã olha pra você e diz “tá ridículo, tira isso agora”, “nem pense em fazer isso no seu cabelo só porque é moda”, “eu estou muito feliz por você” (com o olhar mais sincero da vida). Apenas a irmã vai surtar em felicidade com você, e colocar os seus pés no chão ao mesmo tempo. Apenas a irmã fica enquanto outra leva de gente vai embora, e tem outra leva de gente chegando. A irmã fica, mesmo que às vezes ela precise de um tempo para ela. Porque é um coração ligado ao teu. A amiga-irmã é um presente especial. E se torna mais especial ainda, quando começam a perguntar se vocês são gêmeas.

Eu queria que todos tivessem a sorte de ter uma amiga como você, e reconhecer nela, uma irmã; porque eu é que sei o quão afortunada sou. Os meus pulmões é que sabem o quanto eles já se encheram de gratidão pela sua existência ligada à minha, pelos seus ouvidos que provavelmente xingam a minha falação de vez em quando, pelo seu abraço que sempre vem na hora certa, pelo seu olhar sincero e pelo companheirismo que não me deixa.

Você jamais estará só, porque você terá a minha irmandade para corresponder a sua. Não importa quando. Não importa onde. Não importa como. Mas você importará sempre…

Porque sis.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Débora Cervelatti

Tags

, ,