Se existe um termômetro do desejo, esse termômetro é o beijo. Que arde e arrepia tirando qualquer agonia do nosso peito. Movimentando vinte e nove músculos do corpo e acendendo mais de mil luzes que iluminam a nossa alma. E, quando acaba, deixa os nossos olhos brilhando.

Brilha o fogo de um beijo bem dado. Que, de tão quente e farto, faz perder até nossas calorias. Beijo bom, bem forte. Com mordida, lambida ou apenas um selinho que sela a cumplicidade e parceria dos casais mais tímidos. Beijo é beijo.

Beija, gente. Beija mais, beija muito. Beija todo dia. A mesma boca, várias bocas. Troca essa energia da forma que achar melhor. O beijo do outro, quando beijado com vontade, transforma boca em mãos e nos agarra pela cintura, fazendo a gente voar pra qualquer lugar. Tem beijo que é maior que a gente.

Beijo é troca. É saliência. É a porta de entrada para o desejo. Beijo bem dado, bem arrumado. Beijo que encaixa como se fosse ele uma peça importante do quebra cabeça num primeiro encontro onde tudo parece perfeito. Falta saber do beijo. E se encaixar bocas, línguas e dentes… Já era.

Beijo é universal. Pode ser do casal. Mas, tem o beijo de mãe que eternizamos na memória afetiva mais carinhosa. Beijo da amizade forte e companheira. Beijo solidário. Afinal, o beijo e o abraço confortam tanto que podem até ser dados separados. Mas, se for tudo junto, vira colo que consola os nossos medos. Beijo, nos contos de fada, faz até ressuscitar.

Esses beijos que colecionamos na vida. Que esquecemos quando encontramos beijos com encaixes mais perfeitos. Beijos que nos tornam amantes. Fiéis, mesmo que somente na memória enquanto tentamos voar em outras bocas.

Beijo é rotina. E, quando a rotina de beijos acaba, o brilho no olhar vira pisca alerta. Algo vai errado. Pode desmoronar. Beijo é sinal de vida. De amor.

Ou na saudade de quem não mais podemos beijar.

Aquele beijo que damos no travesseiro numa noite fria e sombria, por saber que nosso encaixe se encaixotou numa peça de quebra cabeça diferente da nossa.

Que beijo dolorido de se dar esse beijo em pensamento, meu Deus.

Mas, ainda assim é beijo. Mesmo que bocas não se encontrem. O gosto e a vontade fazem o mesmo movimento como se ela estivesse ali, salivando em nosso abraço de lábios molhados.

E não é só na boca. Pode ser dos pés à cabeça. Beijo que passeia pelo corpo e inunda a alma de prazer.

Beijo nosso de cada dia. Beijo bom neste dia. E que os nossos beijos sejam cada vez mais troca positiva de boas energias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Edgard Abbehusen

Tags

, , , , , ,