A censura bateu em minha porta e eu que jurei que não escreveria frases dúbias, deixo o recado perdido nas entrelinhas. Não cito essas revelações — as deixo reservadas para silêncios em céu azul, onde o corpo conta mais que a fala e os gestos se completam, feito velhos e bons dançadores clássicos. Sin-cro-nia. E me calo. Acrescento um ponto final, mas sem antes dizer — como se você não soubesse — que gosto do gosto das estrelas na ponta da língua e do sorriso que escapa quando as sensações fogem do controle.  Recomeço. E, apesar de, te revelo que isso é “detalhe”, um bônus extra da tua companhia próxima.

Digo que gosto de. E, depois do ponto, caberiam muitas frases, muitos segredos — meus — e algumas das muitas cumplicidades. Conto que gosto da companhia e ponto. Sem esperar demais, nem desesperar também. Apenas o sentir-se bem com a proximidade, com as palavras doces que vem no vento, com a risada que flui quase sempre e com os olhos que sorriem e revelam e se escondem. Gosto do mistério que tu carrega em cada folha não lida, em cada lágrima engolida e em cada silêncio que te foge do controle e confesso que não tento adivinhar aquilo que tu esconde, pois se assim você prefere, talvez porque assim seja o melhor para o momento. Já me contaste tanto de vida que, penso, sei aquilo que devo saber e saberei se assim você quiser. E descobri que posso lidar com isso. Revelações e segredos. E eu.

Assim, te levo comigo enquanto puder te carregar. Te levo pelos cantos, por me fazer bem te ter em letras, linhas e ladainhas. Levo nas músicas que ouvia e nas que passei a ouvir. Levo naquilo que te lembra, seja num pôr do sol que virou poema, numa taça de vinho que bebo sozinha, numa barra de chocolate que me oferecem ao acaso, na música que começa a tocar no rádio e naquela, doce, que impregna na cabeça. Levo no riso pendido no canto dos lábios, no gosto do churros, no filme que ainda não vi, mas que você prometeu me mostrar. Levo nos desafios vencidos, no algodão-doce-nuvem, na sensação de equilíbrio, na vogal pouca. Te levo comigo, enquanto puder te levar. E enquanto você deixar que te leve.

Anúncios

Participe da conversa! 1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Mafê Probst

Tags

, , , , , ,