“Nós aceitamos o amor que acreditamos merecer.” O QUÊ?

Esta frase é do livro “As Vantagens de Ser Invisível”, de Stephen Chbosky, escrito em 1999, e que se tornou filme há alguns anos. Quando me deparei com esta frase, a julguei tão absurda e descabida… Mas eu não havia parado os meus pensamentos demasiadamente acelerados, para que pudesse analisar friamente esta nova informação, ou nova “máxima”, que havia acabado de receber. E foi então que eu me deparei com a realidade, e vi esta frase me salvar de mim.

Paulo era o amor da minha vida. Ele dizia tudo aquilo que eu gostaria de escutar de alguém, me enchia de presentes, me dava chocolates no meio da semana para compensar a sua ausência no final de semana que havia passado. Paulo aparecia do nada na porta de onde eu estivesse, e me levava para almoçar. Paulo fazia questão de me levar ao cinema ao menos uma vez por semana… Mas eu nunca escolhia o filme. “Se você me ama mesmo, vai assistir a este filme comigo”.

Paulo fazia questão de me levar ao cinema ao menos uma vez por semana… Mas eu nunca escolhia o filme, e tinha sempre que assistir a aqueles filmes de terror que eu odiava ou que não faziam o menor sentido para mim, enquanto tudo o que eu gostaria, era assistir aquela comédia super bem comentada que havia estreado, ou aquele filme inteligentíssimo, cujas críticas eu acabara de ler… Mas Paulo não se importava, porque não era o que ele queria assistir. Paulo elogiava o meu cabelo, mas dizia que gostaria ainda mais, se ele fosse loiro, liso e duas vezes mais longo… Então, de morena do cabelo médio, que hora adotava os cachos, e hora fazia uma escova bem lisa, eu me tornei loira platinada, fiel aos meus apliques e às escovas progressivas… Eu não gostava, mas Paulo elogiava, apesar de sempre ver um defeitosinho ou outro. Paulo elogiava as minhas roupas, mas dizia que gostaria mais, se eu jogasse as minhas calças fora e usasse apenas saias e vestidos, curtos, de preferência, e ele também não gostava de shortinhos… “só sainha e vestidinho, linda, assim você me agrada”, e lá fui eu… Joguei as minhas calças fora, e deixei os shortinhos para usar em casa, por mais que usar saia curta me incomodasse, porque, poxa vida, Paulo gostava! E ele também dizia que gostaria mais, se as minhas blusas tivessem mais decote, umas alcinhas fininhas, mostrasse “mais pele”, para todo mundo ver o quão “gata” era a namorada dele… e lá fui eu, de novo. Até que começaram a olhar demais para mim, assoviar para mim na rua, mesmo com o Paulo ao meu lado, e os homens viravam o pescoço para ver como eram as costas dos vestidos provocantes que agora eu usava… Até os amigos de Paulo começaram a olhar demais para mim, me “secando” sem dó, até que um deles fez uma comparação infeliz, que enfureceu o Paulo: “quer aprender a ter namorada gostosa, cola no Paulo, porque olha esse troféu!”. Voltei para as minhas roupas antigas, só que agora, vestido, só se fosse largo ou longo, e blusinhas, todas largas também, e nada com decote. Saia, nem pensar. Ele ia me buscar, sempre, não importa onde eu estivesse, ou qual fosse o meu compromisso, ele estava sempre me esperando na porta, cinco minutos antes de acabar, não porque ele queria me surpreender, mas porque ele queria ter a certeza de que não havia outros rapazes comigo. Quando eu percebi esta postura dele, alertei todos os meus amigos, e eles se afastavam de mim quando estávamos chegando perto de onde Paulo estava…

Meu pai não gostava de Paulo. Dizia que eu tinha que dar fim ao relacionamento e me afastar de Paulo. Mas eu amava o Paulo, e contava tudo para ele. Então, Paulo começou a fazer críticas sobre o meu pai… Começou de forma sutil e sorrateira, até que tomar uma grande proporção. Quando eu vi, quem estava falando mal de meu pai, era eu. E o mesmo aconteceu com a minha mãe, meu avô, meus tios, minhas tias, pessoas de convívio próximo, amigos, e até algumas amigas… Me afastei de todos, porque Paulo distorceu a minha visão, e eu nem havia percebido.

captura-de-tela-2016-03-18-acc80s-23-14-38

Paulo sumia por dois dias, dizia que havia ficado sem crédito no celular, e então aparecia com algum presente caro, uma cesta de chocolates, flores… O que pudesse me amolecer. Então Paulo me levava para almoçar, mas nunca onde eu queria, porque não era o tipo de comida que ele gostava. Íamos sempre comer lanche em algum fast-food da vida, porque era disso que ele gostava. Mas ele era magro, comia e não engordava… já eu, comecei a ficar gordinha com tantos lanches gordurosos, pizzas, cestas de chocolates e afins. Daí o Paulo achou ruim, e paramos de almoçar e jantar juntos, porque ele não admitia ter uma namorada gordinha. Mas ele dizia que me amava. Eu ouvia “eu te amo”, ao menos cinco vezes ao dia, e “ninguém te ama mais do que eu”, ao menos uma vez por semana.

Mas Paulo continuava sumindo. E o ciúme aumentava gradativamente. E as amigas de Paulo, de repente, tinham mais qualidades do que eu, uma família mais legal do que a minha, sabiam muito mais do que eu, e eram lindas. E lá íamos nós, nos aniversários das lindas, em que eu era ignorada. Mas ele sempre dizia “eu te amo, bebê”. O meu celular apitava o dia inteiro, e era sempre o Paulo, perguntando o que eu estava fazendo, onde eu estava e com quem. Mas eu nunca sabia onde é que ele estava… As minhas opiniões eram piada, mas as dele, eram sempre importantíssimas. As festas da minha família não tinham importância, mas eu tinha que acompanhar Paulo em todas as festas da família dele, e ouvir, em todas elas, que meus pais eram muito controladores, porque eu tinha horário para estar em casa. E então, comecei a ouvir de todos, que aquilo não era amor. Até a minha avó se posicionou. De alguma forma, Deus começou abrir os meus olhos através destas pessoas. E foi então que eu comecei a ver todas as coisas descabidas ao meu redor… E então, Paulo me pediu em casamento. E no mesmo dia, eu li aquela frase: “Nós aceitamos o amor que acreditamos merecer.”

Terminei com Paulo. E foram meses percebendo coisas absurdas. Foram anos, recuperando laços. E alguns dos laços antigos, eu jamais consegui recuperar. Sabe, tudo aquilo que custe os teus laços, é caro demais. Tudo aquilo que custe o teu relacionamento com a tua família e os teus amigos mais queridos, é caro demais. Eu acreditava que aquele amor controlador e chantagista, era o que eu merecia. Eu acreditava que aquilo era amor, porque vez ou outra, a obsessão se travestia de amor, me fazia um carinho, e me dizia “eu te amo”. Eram migalhas sentimentais, e não amor de verdade. Talvez a gente pense que não vai encontrar coisa melhor, ou então, a gente foi condicionado a pensar desta forma… Mas não precisa ser assim.

Se ame, primeiro. Mas se ame muito. Vá para o seu quarto, fique você e Deus, abra todas as suas feridas, novas e antigas, exponha as suas mazelas, e deixe que Deus trate. Se permita ser curado. Se permita olhar para dentro de si, se permita à autopercepção. Se permita à leveza, e à paz que vai além do seu próprio entendimento. E jamais aceite algo que seja menos do que isto. Jamais aceite que alguém te traga um amor que seja menos do que isto. Jamais aceite alguém que te ame menos do que você se ama, do que os seus pais e a sua família te amam, do que Deus te ama. Jamais acredite, leitor, que você merece migalhas de alguém. E jamais dê migalhas ao outro. Não aceite um Paulo, e não seja um Paulo. Você não precisa disso, e você não deve. O amor é sublime demais, para se tornar obsessão, ciúmes, mandamentos e opressões.

Talvez o amor que você realmente mereça, demore a chegar. Nestes momentos, “pega a solidão e dança”, mas não se sinta obrigado a matar a carência de forma desesperada, como tanta gente faz por aí. De qualquer forma, chova amor por dentro. Transborde-se e seja inteiro. E quando alguém chegar, observe se juntos, vocês se tornam um belo rio, ou se juntos, o outro é riacho sozinho.

A gente recebe o amor que acredita merecer. O que você tem recebido?

debora

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Débora Cervelatti

Tags

, , , , , , , , , ,