Não adianta, não tem como escapar, tem em todos os lugares. Na Europa e na Ásia, tem. Aqui na América do Sul? Também. Em todas as capitais de estado que passei, no distrito federal e em todas as cidades de todos os lugares que eu fui ou vou ir? Tem e vai ter também, claro. E aposto que em todos os lugares onde você já foi também tem ou vai ter. Podemos até fazer um exercício: pense em qualquer local de qualquer parte do planeta, pode ser calçada, rua, estrada, construção ou qualquer lugar onde circula o bicho-homem. Em todos os lugares onde o homem já foi, passou o Google Maps. E pior: junto com a foto do lugar vai ter uma bituca de cigarro no chão. Questão de pesquisa que nem o próprio Google consegue responder: bituca de cigarro não é lixo?

Que o cigarro faz mal, nem preciso lembrar né? Milhares de substâncias tóxicas, carona para o câncer e um monte de outras doenças, problemão de saúde pública e tudo mais. Além de tudo isso, o que me espanta é que o resto do que me faz mal tem segmento fazendo mais mal ainda para o pobre ecossistema em que vivemos e labutamos. E mais: não é problema meu como fumante, alguém limpa ou nem me preocupo com isso. É eu postegando ao estado (ou outro) a limpeza da sujeira que eu criei.

captura-de-tela-2016-03-18-acc80s-23-14-38

É bom lembrar que a bituca de cigarro NÃO é biodegradável. Segundo estimativas da OMS (Organização Mundial da Saúde) cerca de 1,6 bilhões de pessoas, algo em torno de 22% da população mundial, fumam e cada uma delas produz em média 7 bitucas por dia. É mais ou menos 12 bilhões de bitucas sendo descartadas por dia, muitas e muitas toneladas da sobra do nosso ato de fumar. Enquanto estamos aqui refletindo sobre isso, um bom volume de bitucas está sendo jogada na calçada, sarjeta, jardim, vaso ou coisa parecida, e cada uma delas vai demorar no mínimo cinco anos para se decompor contaminando tudo por onde passa, entupindo tubulações e bueiros e, obviamente, deixando um rastro de sujeira. Triste esporte de lançamento, que impacta diretamente a nossa rotina, sendo ou não fumante.

Difícil pensar em não ter bitucas no chão, não acho que somos tão evoluídos para isso. Mas da mesma forma que cobramos políticas públicas para limpeza e conservação dos espaços que nós mesmos sujamos, louvo algumas iniciativas de puxar as orelhas de quem descarta suas bitucas no chão. No Paraná, além de uma ação educativa em estabelecimentos comerciais que vendem cigarros, existe um projeto de lei que responsabiliza os fabricantes pelo descarte correto das bitucas, mais ou menos como (deveríamos) fazer com lâmpadas e pilhas usadas. E cuidado amigo fumante ao passear e jogar seu cigarro no chão em alguns países: em Taiwan é cadeia, no Japão é multa e no Butão já nem deve ter mais bituca no chão. Lá não tem bituca porque simplesmente o governo daquele país tem lei para abolir o tabagismo.

Bom ou ruim ainda é possível fumar, o que não é possível é a sobra disso ir para qualquer lugar. Na condição de ex-fumante ainda acho que a melhor dica para não jogar bituca no chão é parar de fumar: a dica é simples, a atitude nem um pouco fácil. Além de evitar o consumo e a produção de milhões de bitucas você poupa seus pulmões, os pulmões alheios e o seu bolso. E o Google Maps, quem sabe, um dia vai ter marcadores de locais onde o ser humano passa sem deixar suas bitucas de cigarro!

mateus

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Mateus Araújo