Quando tudo acabou e você resolveu ir, eu achei que meu mundo tinha se findado ali. Achei que era o fim da linha e eu não conseguiria nunca mais me reerguer. Por dias eu não tive vontade nenhuma de, sequer, levantar da cama. Ver você abandonar o nosso barco e me sentir cada vez mais submersa nas águas do sofrimento sem saber, de forma alguma, nadar, foi uma das piores sensações que eu já vivi nessa vida. Imaginar-me sozinha já não fazia mais parte dos meus planos.

captura-de-tela-2016-03-18-acc80s-23-14-38

Não sei bem como tudo isso aconteceu, mas cometi o maior erro que alguém pode cometer quando se está vivendo uma relação: tornar-se dependente do outro. Entregar nas mãos da outra pessoa a –terrível- missão de nos fazer feliz. E foi o que eu fiz. De uma forma cruel, dei a você a missão e responsabilidade de me fazer feliz. De me completar. E quando você já não mais estava presente em minha vida, não ficou somente o vazio da perda de um grande amor. Ficou o vazio de alguém que não se conhecia mais sozinha. Que não sabia mais o que era o amor próprio, não fazia ideia mais do que era o “eu”, pois tinha feito do “nós” a única possibilidade de existência.

Muitas vezes, a dor de permanecer onde e como está é muito pior do que aceitar que algo precisa ser feito e uma mudança precisa acontecer. Por isso, apesar do tempo que levou, e do quanto foi doído e devastador, eu consegui superar. Consegui me encontrar depois de tanto ter me perdido nessa cilada sentimental. Pude, finalmente, sentir os ventos soprarem ao meu favor e sentir o sol entrando pela janela da minha vida e tudo se tornando iluminado novamente. Depois de muito padecer, pude me dar conta que a gente não morre porque relacionamentos acabam. Mas a falta do amor próprio nos consome e nos corrói dia após dia e essa ausência, sim, pode matar nosso íntimo e dilacerar nossa alma.

Pessoas entram e saem da nossa vida com muita frequência. Mas nós ficamos. Nós ainda nos encontraremos em muitas situações nas quais somente a nossa própria companhia será possível. E é aí que as coisas não podem tornar-se um fardo, angustiante ou agoniante. É aí que a gente tem que se dar conta de que, mesmo amando, envolvendo-se, relacionando-se e construindo uma história com outra pessoa, a nossa individualidade precisa ser mantida. A responsabilidade do nosso bem estar íntimo é nossa e somente. Se alguém entrar em nossa vida que seja para acrescentar, complementar, nos fazer transbordar. Mas que se, por eventualidade do destino, resolver partir, que fique a dor da perda de alguém que um dia amamos e não a dor da ausência de nós mesmos.

IMG_6866

Anúncios

Participe da conversa! 1 comentário

  1. Texto inteligente e infelizmente um verdade absoluta sobre alguns relacionamentos de hj em dia.

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Ana Luiza Santana