Talvez uma alma pobre seja aquela que nunca amou. Aquela que nunca sentiu toda essa boniteza que lemos em textos. Talvez não amou por não ter tido a oportunidade. E nunca pôde sentir aquela vontade de viver. Vontade de mais um ‘bom dia’, vontade de ‘fica pra mais um café’.

captura-de-tela-2016-03-18-acc80s-23-14-38

E ainda há, porém, aqueles que amaram muito e ainda amam. Que puderam sentir uma alegria contagiante ao olhar pra um sorriso. Experimentaram receber afeto mesmo que não tivesse nada a oferecer, a não ser a reciprocidade.

Por muitas vezes, se pegaram pensando na pessoa o dia todo. A imagem dela está ali, perfeitamente formada na mente. E conseguem se lembrar do sorriso, do cheiro e sentir o abraço. As infinitas conversas se refazem na sua mente. A gargalhada. A respiração quente, sobre seu peito. O afago no cabelo. Aquele toque gentil na mão do outro, como forma de apoio num momento de tristeza.

Eu sou grato por todos os amores que já tive. Mesmo que tenham acabado de uma maneira que me deixaram mal. Aprendi com eles uma grande lição: amar é ótimo, é preciso. Amar nos torna mais humano. E ameniza os efeitos do caos que paira sobre o mundo.

Nossos amores merecem um lugar para serem guardados. E claro, relembrados.

15045809_1252964914774464_1807142098_n

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Josias Gonçalves