A dias eu não acordo mais durante a noite assustada por ter tido mais um sonho com você, já vou dormir convicta de que não dividimos mais a mesma cama, nem os mesmos sonhos, tão pouco o mesmo café. O que eu sei da sua vida depois que você foi embora? Absolutamente nada, e prefiro que continuemos assim, no começo eu levantava dando bom dia para o porteiro, perguntava para o seu Zé da padaria como ele estava, e na volta sempre insistia em contar uma piada ruim ao jardineiro do prédio. Era gritante a minha felicidade de faixada, até que em uma tarde de verão na beirada da piscina um garotinho tacou a sua bola em meu ombro.
– Me desculpa moça, foi sem querer.
– Não tem problemas, aqui está sua bola lindinho. Ele me agradeceu meio acanhado e depois o ouvi falando para sua mãe:
– Mamãe, porque aquela moça tem os olhos tristes?
Meus olhos? Eles estão tristes? Mas como assim, eu jurava que tinha me entupido de maquiagem para disfarçar as olheiras depois de mais uma noite em claro chorando porque você partiu, lá no meu interior algo gritava, um nó tão forte quanto a gravata do palhaço. Aquele palhaço que faz algazarra em pleno picadeiro e faz a criançada fazer xixi na roupa de tanta risada. Era essa mesma alegria que eu procurava demonstrar, aquela que encanta, e tudo que eu procurava de volta era ser encantada também. Demonstrei firmeza nas palavras e certidão pelo futuro, e me policiei para não riscar um “A” fora da cartilha, porque sim, depois de sua partida eu tracei metas, e não me permiti mais erros, apenas exigi de mim mesma em ser cada vez melhor, igual o palhaço que inventa sempre uma nova brincadeira para sempre ter por perto aqueles rostinhos felizes. No meu caso eu queria apenas evitar as perguntas de como eu realmente estava, então eu apenas sorria, mas naquela tarde aquele garotinho descobriu a minha farsa, e quem foi mesmo que disse que todo sorriso é de felicidade? Então eu cansei de todo o drama, mergulhei na piscina, e assim que voltei para superfície decidi que mudaria a minha tática. Você havia partido, foi embora quando podia ficar, e ficar revivendo isso é mexer em ferida que quer cicatrizar, é procurar o alguém do passado que não vive mais no nosso presente. E daí que um dia eu te amei ao ponto de acreditar que nascemos um para o outro? Eu quis respostas e você não soube me dar. Eu quis suas atitudes, você apenas me deu promessas, eu estive cansada por um longo tempo, mas não estou mais. Hoje você se sente perdido? Então agora você sabe exatamente o que passei quando você decidiu terminar.
Por um longo tempo esperei pela sua ligação, pelo seu abraço, pelo seu corpo, mas a dias me despedi do fantasma de sua lembrança, você me quis na sua hora, hoje não me importa quão grande é o seu amor, não estou mais interessada, vai para outra freguesia e me deixa em paz. Aprendi com nosso término que emoções são como sombras, elas podem ser completamente desordenadas, podemos tentar deixa-las de lado, mas elas não irão ficar quietas por muito tempo, e então temos a escolha de deixa-las brotarem e convivermos com isso, ou a de corta-las de vez de nossas vidas.
O problema é que alguns cortes fecham, mas deixam cicatrizes, assim como a sombra, ela pode nos abandonar no escuro, mas sempre que tiver uma fresta de luz, ela estará lá novamente. Assim são os sentimentos, nunca sabemos o que eles podem trazer para a nossa vida, mas pior do que o medo das cicatrizes, é o vazio que fica quando nada somos capazes de sentir. E ao chegar nessa conclusão eu tive certeza de que não posso ter medo das cicatrizes que os sentimentos podem me causar, mas devo sentir medo do que a ausência deles pode me mostrar. O pior vazio de todos é o do coração, e descobri que arriscar sentir ainda é o melhor remédio.
E eu quero sentir o gosto de um novo amor, o carinho de outras mãos, e a leveza de me aventurar em um outro mundo que não tenha mais nada haver contigo, e dessa vez não irei mais me lamentar pelo dia que você decidiu sair da minha vida, vou conviver com sua ausência, vou sobreviver a sua falta, vou me levantar todos os dias, e vou sorrir para o porteiro, mas porque o dia realmente está incrivelmente lindo lá fora, eu quero contar piadas ruins ao tiozinho da banca de jornal porque é muito bom velo sorrir, mesmo que minhas piadas sejam péssimas, eu pretendo desejar um bom dia ao seu Zé da padaria, não mais para fugir das suas curiosas perguntas sobre minha vida amorosa, mas sim porque realmente ele merece um dia bom.
A vida nos apresenta circunstancias, e o que escolhemos para nós geralmente afeta a vida de outras pessoas no processo. Você fez suas escolhas, e com elas descobri que não preciso viver em uma eterna despedida, essa foi a minha opção, arquei com as consequências de ser uma pessoa interessante demais para viver de passado. Então me desculpe, mas hoje você se tornou apenas um babaca que optou por sair do meu lado.
Moral: Quantas pessoas entram em nossa vida? Algumas vem rápido, outras demoram, e tem aquelas, que desde o primeiro instante nos faz feliz, e muitas vezes por não estarmos preparados as perdemos. Então valorize o caminho que você trilha, e mais que isso valorize quem entra em sua vida, depois que algumas decidem sair nem sempre o que ficou para trás é suficiente para que elas desejem voltar.

re

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Re Vieira