Não dá mais para esconder, eu tenho segurado as pontas por um longo tempo, tenho me silenciado por medo do estrago que as minhas palavras possam fazer, mas não dá mais para me calar, o coração está gritando para que eu tome uma atitude. O meu olhar vai me entregar a qualquer momento, e já não sei mais disfarçar que você não me afeta mais. Porra! Como você ainda me afeta. Às vezes eu fico tentando entender, qual é o sentido de ter algo tão surreal que vai além da pele, e da combustão de nossos corpos, mas mesmo assim parece ser totalmente impossível. Meu peito chega a latejar, dói demais guardar tudo o que eu tenho vontade de lhe dizer. Fique tranquilo, não estou aqui para te cobrar absolutamente nada, apenas estou para dividir o que a algum tempo carrego no peito. Nem sempre vamos estar preparados para arcar com o peso de nossas decisões, e o mínimo que devemos a nós mesmo é tentar mais uma vez, não é tão simples eu sei, e não tem como simplesmente voltar atrás e garantir que dará certo dessa vez, palavras não são colchas de seda que com um fino traço dá para se reparar o rasgo. Uma vez proferidas devemos apertar o cinto porque então é aí que o jogo começa a ficar de fato pesado. Ao cruzar o meu caminho, você entrou sabendo das dificuldades que encontraria pela frente, garota marrenta, esquentadinha, ansiosa e também ciumenta. Você me ganhou com o seu jeito todo encantado, confesso, foi muito melhor do que eu já havia imaginado. O tempo foi nosso amigo e juntos construímos a nossa história, lágrimas, sorrisos, sonhos e um futuro totalmente já planejado. Tomei decisões precipitadas e pelo calor do momento, fui imatura e até inconsequente, a vida seguiu e hoje não te tenho mais ao meu lado. Eu tentei provar a mim mesma que sua falta era tarefa fácil de se lidar, e que algum dia eu simplesmente ia acordar e você iria ser só mais uma das lembranças do meu passado. Te vi seguir novos caminhos, e se apaixonar por outros sorrisos, mas nunca consegui disfarçar as marcas que eu ainda trazia comigo. Vivemos no ápice da felicidade e nos entregávamos aos desejos mais íntimos, sua presença sempre foi minha maior segurança, e hoje me dói ao saber que comigo não deseja ter mais contato. Sei que te feri ao deixar a nossa história para trás, o que não pude perceber foi que quando de ti me afastei perdi também um pouco da minha essência, eu sempre te disse que seria forte, e que seguiria feliz, e o meu erro ficou notório quando novamente eu te vi. Conviver entre as mesmas pessoas e em circunstâncias diferentes foi um soco em minha face, e só me mostrou o quanto do seu amor ainda me sinto dependente. Sei que não tenho direito de vir aqui e despejar todas essas palavras, tenho medo, tenho saudades, tenho desejo e ainda tenho amor, não peço que me compreenda, mas que acredite na força da nossa história, já dizia uma escritora por aí que devemos crer que para o amor nunca existirá um ponto final, que podem ser apenas reticências […] E que sempre podemos recomeçar, desde que estejamos prontos para escrever um novo parágrafo, eis aqui o meu convite, tenho lápis e papel em minhas mãos, escreve comigo? Quem está pedindo é o meu coração.

re

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Re Vieira