Uma linda chácara no meio do nada com temperatura amena era tudo que ela precisava. O barulho do seu salto ecoava pelo corredor. Com uma leveza no olhar, se aproximou e viu a porta entreaberta. Ele estava em uma cadeira, com o olhar distante, observando o lindo quadro que se formava pelos eucaliptos em contraste com o céu azul naquele dia. 

Sem fazer barulho ela entrou no quarto, lhe enfaixou os olhos e prendeu suas mãos para trás. Ele não se esquivou porque sentiu seu perfume. Não era um perfume qualquer. Era o perfume da sua paixão, do seu porto de paz e em contrapartida, do seu desequilíbrio. 

Ela não tinha muitos segredos com ele e não precisava de muito aparato para conseguir o que queria. Só que aquele dia era especial. Era exatamente 16 de junho quando aquele friozinho entrava pelo quarto. Ela se responsabilizou por ser seu aquecedor e mudar o clima. Na verdade nem precisava se esforçar muito, só o fato de estar ali já o deixava em êxtase. 

Observou-o sentado na cadeira e lentamente começou a despir-se por inteira. Jogou a blusa com cheiro de amor sobre seu rosto e junto, um beijo molhado. Não foi preciso muito, ele queria vê-la e logo indagou: – Me deixa te ver e… – Ela prontamente o interrompeu: – Hoje o comando é meu! 

Não queria nada demais, apenas ser a solução daquilo que ambos enfrentavam. Não se tratava de um desejo qualquer. Não era simplesmente brasa, era fogo. Não tinha necessidade de ser vista, mas já despida, escorregou o corpo sobre seu descontrole, sobre seu anjo por ora disfarçado de demônio. Aquilo a satisfazia, porque precisava do que sentia quando estava sobre sua paixão. Se sentia viva e mais mulher do que nunca. 

No som, colocou a música que se tornou a oficial desde que se conheceram. Pode parecer cômico, mas ela sempre tinha uma música. Ela beijava cada parte de seu corpo como se fosse a primeira vez. Sem prender o cabelo e com delicadeza na voz, sussurrou em seu ouvido tudo que havia guardado para aquele momento: – Quer sacanagem? Colar o teu corpo no meu? Precisei de tanto tempo porque eu precisava da certeza de que o nosso contraste seria perfeito. Precisei de tempo para dar vida suficiente aos frutos da minha imaginação. 

Com os olhos ainda vendados e louco de vontade dela, mal conseguia falar, quando disparou: – É que você não desarrumou só o quarto, você bagunçou tudo. Me revirou do avesso e… – Foi interrompido por um beijo quente. Já não precisava de mais nada. Tinha dado seu recado e ainda em seu colo, desamarrou suas mãos e se acolheu sobre seu peito. 

Retirou a faixa dos olhos, escorregou sua mão sobre seu corpo e ficou imaginando como aquela mulher gigante e forte, que entrou por aquele quarto, se transformou em questão de minutos em uma princesa frágil e delicada em seus braços. 

Não quis dar muito crédito aos seus pensamentos. Nada mais interessava, apenas que ela estava ali e que seu coração parecia saltar pela boca por isso. Ele a encaixou ainda mais em seus braços, cheirou seu cabelo e comentou o quão perfumado estavam. Ela gostava disso. Antes de qualquer coisa ele a beijou na testa, pois aquele era o código de sua paixão. O pôr do sol já refletia na janela quando a jogou em seus lençóis e sua pele cor da noite brilhava em contraste com a pele branca e macia dela.

Ele não se conteve e precisou sussurrar em seu ouvido: – O contraste perfeito será sempre eu, você e todos os frutos da nossa imaginação. 

E esse foi o começo de uma paixão de contrastes, de uma quadro fruto de muita imaginação. Foi o início de uma paixão voraz e um amor calmo e seguro. Se pode existir algum eu não sei, mas toda vez que se encontravam o clima era esse. Sempre que se encontravam, aquele contraste denunciava fogo.

Anúncios

Participe da conversa! 2 comentários

  1. Que maravilhoso foi ler isso ♥

    Curtir

    Responder
  2. Denso e cheio de intenções; belíssimo texto!

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Sobre Jornalismo de Boteco

Paulinho Rahs Escritor, compositor, poeta solitário, vocalista da Arcadia e criador do Jornalismo de Boteco. Entusiasta, subversivo e magnânimo, contém na lista de vícios café, cerveja, o Foo Fighters e o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. https://www.facebook.com/PaulinhoRahsOficial/

CATEGORIA

Thamires Benetório

Tags