Deixe-me observá-la um pouco mais. Permita-me prestar atenção enquanto boceja, enquanto finge que escuta o que digo e, na verdade, está pensando nos problemas de casa; quando procura novas paranóias para esquecer as velhas e não decide qual carreira seguir. Deixe-me entrar no teu silêncio e dizer, com o meu, que eu estou aqui para compartilhar olhares e presenças; arrumar a bagunça do teu quarto de amor para que você ache a si mesma e comprar um novo guarda-roupas. Conceda-me a chance de escrever palavras em teu livro rasgado, de embebedar-te com vinhos de vida. Venha, flor. Venha fazer parte de mim de uma vez por todas já que em momento algum deixei a porta aberta para que outro alguém entrasse. Estressa-se comigo, com minhas vontades inacabadas, meus pedidos de moço doido por tudo que me rouba Amor. Brigue com meu ciúme de quem cansou de lonjuras e só quer proximidade ou com a inveja descabida que sinto do espelho que te vê despenteada todas as manhãs. Sente-se. Eu realmente quero que fique. Que, caso não te impeça de viajar, leve-me para junto de ti, como uma bagagem antes inóspita e sem graça. Que destrinche meus medos de altura escondidos na masculina vontade de parecer masculino ou me mande flores para eu cuidar como se fosse você. Demore-me. Fica para a “janta”, a ceia”. Fica para o sono. Veste meu moletom caso eu não seja quentura suficiente e, se prometer voltar logo, pode ir na tua casa pegar roupas para permanecer o resto da vida ou trazer tua cadeira de balanço para ficarmos na varanda nos dias de folga. Não entenda. Não queira programar o amanhã, querida. Nosso sempre será sempre o fim do dia juntos. Por tudo o que tenho agora em mim, tente-me de todas as formas. Mas, principalmente, tente ficar.  

Anúncios

Participe da conversa! 1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Sobre Jornalismo de Boteco

Paulinho Rahs Escritor, compositor, poeta solitário, vocalista da Arcadia e criador do Jornalismo de Boteco. Entusiasta, subversivo e magnânimo, contém na lista de vícios café, cerveja, o Foo Fighters e o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. https://www.facebook.com/PaulinhoRahsOficial/

CATEGORIA

Das Dores Monteiro

Tags