Antes de encher o balde, colocá-lo no chão e depois chutá-lo para que não reste mais nada, é preciso introduzir um conceito que faz toda a diferença nesse processo: a densidade. Ela determina a quantidade de matéria que está presente em uma unidade de volume. Logo, se você enche um balde com água, vai fazer um certo esforço para segurá-lo. Se a água for trocada por um material mais denso, como o mercúrio, provavelmente não conseguirá tirá-lo do lugar.

Sentimentos como a esperança e a paciência, possuem densidade indefinida, pois sabem se comportar como água ou mercúrio, tudo depende do quanto se recebe em troca. Se fosse possível colocá-los juntos em um balde, este iria ao chão no primeiro indício de que o  esforço não está valendo a pena. Todo esforço exige recompensa, é quase que uma obrigação. Ninguém mata um leão por dia para ser chamado de covarde no final. Mudar de vida exige muita maturidade e só acontece quando alguém se cansa do inacabado e daquilo que suga a sua energia a troco de nada. Aprende-se então a tratar as reticências com indiferença para se aproximar de um ponto final.

Com o balde já no chão, as coisas mudam. É quase uma desistência declarada, você sabe que ele está ali, mas prefere fingir que não te pertence. Não é fácil, incomoda saber que também não pertencerá a ninguém, pois exigirá muita força de quem está apenas começando a caminhada. Com as mãos calejadas, você já não consegue esvaziá-lo mais, e só lhe resta uma alternativa para recomeçar: chutá-lo para o espaço. Você nem vai se importar com o peso do seu conteúdo. Pelo contrário, vai perceber que o esforço que estava fazendo era muito maior do que o necessário para acabar com tudo isso. Vai perceber que o balde sempre esteve vazio.

neto

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Sobre Jornalismo de Boteco

Paulinho Rahs Escritor, compositor, poeta solitário, vocalista da Arcadia e criador do Jornalismo de Boteco. Entusiasta, subversivo e magnânimo, contém na lista de vícios café, cerveja, o Foo Fighters e o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. https://www.facebook.com/PaulinhoRahsOficial/

CATEGORIA

Neto Alves

Tags